Ancoradouro

O que é Intercessão?

O sacerdote colabora mensalmente com o Blog ANCORADOURO

É colocar-se no lugar do outro e pleitear a sua causa, não descansando até que a vitória aconteça na vida daquele por quem se pede. Uma simples definição de intercessão está na bíblia “Orai uns pelos outros” (Tiago 5-16). Na verdade, o primeiro e único intercessor é Jesus, que nos defende junto ao pai. Ele já dizia: “Ninguém vem ao Pai, senão por mim” (João 14-6).  Os santos, inclusive Nossa Senhora, são os mediadores que levam nossas causas até Cristo.
No entanto, quando oramos por alguém também estamos servindo de ponte. Intercessão significa colocar-se entre.  Ou seja, o intercessor é aquele que se coloca entre aquele que pede e aquele que dá, é como um advogado, que defende a causa.
Na bíblia nós encontramos muitos personagens que intervém pelo próximo.  “Então Moisés se apressou a inclinar-se à terra, e adorou, dizendo: Senhor, se agora tenho achado graça aos teus olhos, vá o Senhor no meio de nós; porque este é povo de dura cerviz; e perdoa a nossa iniqüidade e o nosso pecado, e toma-nos por tua herança “(Êxodo 34-8,9).
O intercessor não é somente aquele que faz a Deus uma oração de pedidos. É aquele que conhece a Deus e porque o ama sabe que é amado por Ele. Este mediador tem um diálogo amoroso com o Pai e uma ligação que só pode ser fruto desse amor. O intercessor conhece as promessas de Deus, conhece suas palavras, conhece as Sagradas Escrituras e possui intimidade suficiente com o Criador para pedir.
Toda pessoa pode se tornar um intercessor, desde que tenha formação. Dentro da Renovação Carismática há uma escola para intercessores. É importante aprender a rezar. Procure um grupo de oração e faça parte deste Ministério.
Nunca esqueça que o primeiro aspecto da intercessão é o combate. Não um combate contra Deus, que é o Sumo Bem, mas sim uma luta a favor da pessoa que precisa se abrir à graça de Deus.
Somente ter o desejo de ser um intercessor já é uma manifestação divina. Se você tem essa vontade, atenda ao pedido de Deus.

Por Pe. Reginaldo Manzotti