Ancoradouro

Quando me dei Conta de Mim

/ancoradouro/2010/05/17/quando-me-dei-conta-de-mim/
514 Seja o primeiro a comentar
Lembrei do quanto eu gostava das coisas simples da vida. Uma boa conversa, escrever uma carta, relembrar bons momentos, recortar papeis, andar por aí sem preocupar-me com as obrigações.
A cidade me fez adaptar-me mais rápido do que eu pensava ao seu ritmo frenético e mais, à sua mentalidade, consumista, preconceituosa, hedonista. Aos poucos vi meus valores corroídos, dilacerados, cheios de uma fuligem que os desfiguravam totalmente de sua condição originária.
Foi então que percebi o quanto estava longe de mim mesmo, da minha essência e do próprio Deus onde se origina todo o bem. É preciso recomeçar aconselhou-me a experiência, parar um pouco akertou-me a prudência. Fragmentados não podemos ir a lugar algum avisou a castidade.
Na verdade não importa o espaço físico onde nos encontramos ou a condição interior que se nos apresente. Como pessoas  conscientes e lúcidas temos a ímpar oportunidade de pensar e crer, silenciar e falar, parar e agir. Tudo sendo feito a cada momento nos levará à senda da verdadeira felicidade.

Recomendado para você