Ancoradouro

PT quer sancionar a iniquidade

/ancoradouro/2010/09/01/pt-quer-sancionar-a-iniquidade/
7 Seja o primeiro a comentar

Recebi a indicação de um vídeo do colega @KaioLeonardo e compartilho no blog. Trata-se do posiocionamento de um pastor de Curitiba sobre política. O líder religioso chama a atenção para as leis que tramitam no congresso e a necessidade dos cristãos unirem-se e dar uma resposta eficaz para  evitar que estas sejam aprovadas.

No exórdio do pastor um vídeo apresenta os temas de leis que versam sobre a criminalização da homofobia, o infanticídio de crianças em tribos indígenas, a descriminalização do aborto, a praga do divórcio. E ao final ele faz uma importante observação: “Em todos os partidos existem pessoas que são contra e a favor aos temas referidos  mas existe um partido, em especial…o PT, o partido do nosso presidente,  em seu congresso geral deste ano no qual indica os seus deputados  fechou a questão sobre estes pontos, ou seja, o deputado que votar contra (por exemplo a desciminalização do aborto/grifo meu) é expulso do partido”.

Isso já aconteceu ano passado. O Partido dos Trabalhadores expulsou da legenda dois de seus deputados por terem votado contra a legalização do aborto. Leia mais sobre o assunto aqui.

A candidata Dilma Russeff quando esteve reunida com a liderança evangélica se disse a favor da vida (aqui). Sensibilizados ou enganados, não sei, o grupo protestante disparou na internet 13 motivos para se votar em Dilma. Mas, a mesma candidata quando esteve com um grupo feminista mudou o discurso e disse ser a favor do cumprimento estrito da lei no tocante ao aborto. O grupo das mulheres aliadas de Dilma pretende rever a legislação sobre o assunto (aqui). Então, Dilma ensaia o papel de uma cristã candidata para os evangélicos. Com os católicos recuou e para evitar uma repercussão negativa na campanha faltou ao debate na TV Canção Nova.

Dizendo-se a favor do cumprimento da lei funcionará assim, a bancada Petista mudará a legislação e a senhora Russeff “cumprirá” a lei, estritamente. Lavará suas mãos como Pilatos, mas não em água, no sangue de inocentes. Precisamos nos unir. As palavras do pastor foram sensatas e dignas de crédito. “Não quero dizer em que vocês devem votar. Não! Mas sei em quem não devemos votar”, arremata o religioso.

Assita ao vídeo na íntegra:

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=ILwU5GhY9MI[/youtube]