Ancoradouro

Máquina de camisinhas em escolas gera polêmica

Mais uma decisão polêmica do governo Lula. Desta vez, em nome da educação sexual serão instaladas máquinas de distribuição de camisinhas nas escolas.  O objetivo do ministério da saúde e da educação é atingir as escolas públicas.  Estamos diante da institucionalização da promiscuidade.

O governo brasileiro gasta milhões na compra e distribuição de preservativos e estes não cumprem sua função, pois jamais poderão ocupar o lugar dos verdadeiros preservvativos, a saber, a castidade e a fidelidade conjugal. No debate presidencial promovido por emissoras de inspiração católica o candidato José serra disse não ter nenhum problema em aderir a uma polílita pública de saúde no combate à Aids com estes métodos.

Argumenta-se apenas que a camisinha é o meio mais eficaz no combate às Dst’s, quando a informação não é consistente  o suficiente para encabeçar a linha de ação principal de combate. Imagine-se o tipo de (de)formação que receberão os pré-adolescentes e adolescentes nas escolas quando os professores não conseguem distinguir sexualidade de genitalidade ao menos. 

Ministério da Saúde coloca máquinas de distribuição de camisinhas em escolas públicas

Já despontam discursos sobre a defesa dos jovens viverem sua sexualidade, entendida na verdade como genitalidade. Foi com este tipo de mentalidade,aliás, que um partido sob o nome irônico de “amai-vos uns aos outros” foi fundado na Holanda por quatro pedófilos, cujas linhas ideológicas defendem o crime da pedofilia, a nudez irrestrita e pornografia na televisão.

Recordo-me de uma aula de educação sexual recebida ao 17 anos. A professora falava sobre masturbação e relação sexual. Na primeira, dizia ela, você gasta mais energia do que na segunda. Logo, o melhor seria partir para a prática sexual. Isto falou para uma sala de alunos entre 13 e 15 anos, numa cidadizinha do interior e como já disse: a 17 anos atrás. Imagine o que se ensina hoje. Não recordo nenhum ensinamento sobre o valor do corpo, a beleza do resguardar-se para o outro, a inteireza que consegue o indivíduo vivendo bem sua identidade sexual, coisas que só aprendi anos depois, em locais que não as salas de aulas.

Depois da máquina de distribuição de camisinhas o que poderemos esperar do governo em suas políticas públicas nas escolas? Cabina para relações sexuais entre os alunos, poderia se alegar que seria mais seguro e higiênico. Ou exibição de cenas explícitas de sexo para os jovens?

O trem, se não está, segue para um descarrilamento. Quem pode cuidar dos seus o faça sob pena de perder a inocência donde se deveria preservá-la. Retrógrado, eu? Imagina. Só não concordo com esse tipo de educação que deforma.  Não sou um mais do mesmo que veleja ao sabor do vento do desrespeito à inteireza da pessoa. Eu acredito no corpo como um dom e não como um objeto.

Recomendado para você