Ancoradouro

Cristo ou Macedo?

Você acredita numa existência isenta de sofrimento? Numa família que não passe por conflitos? Na vida imune a enfermidades? Em relacionamentos resistentes a todo tipo de adversidade? Em instituições, mesmo religiosas, perfeitas? Aos mais dados à leitura bíblica, indago.  Existe algum trecho do Evangelho no qual Jesus promete livrar seus seguidores de dificuldades na vida? Ou em algum outro trecho promete bonança, saúde longeva, imunidade a crises, prosperidade contínua ou caminho sem percalços?

Siga-nos no Twitter.

Se você habita este planeta, se é constiuído de carne e osso em sua estrutura corporal e se se encontra numa sadia condição psíquica é provável que sua resposta a todas estas questões tenha sido um não.  Pautado na premissa acima continuo meu raciocínio indutivo e trago para o encadeamento de ideias a denominação – dita evangélica – Universal do Reino de Deus.

Como uma instiuição pode prometer o estanque do sofrimento humano a seus membros? Ainda mais de inspiração cristã. Como um líder que se autointitula  bispo permite o vocativo mentiroso “Pare de sofrer” como máxima de sua denominação? É digno de estudo o corpotamento dos membros e lideranças da referida denominação. Caso tivesse tempo, ciência e paciência para estudar a fundo o que pensam estes dois grupos de pessoas o faria, mas como me faltam tais virtudes, em especial a terceira, fica a dica a quem interessar possa.

Assista ao Vlog Evangélicos em colapso:

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=D85__BTx6TA[/youtube]

Afinal, acreditariam os membros da igreja Universal que a mensagem principal do Evangelho seria a prosperidade? E os pastores, de fato crêem no poder dos objetos benzidos em orações exaltadas?  Ou tudo não passa de organizada campanha comercial com fins de movimentar valorosas cifras? Como se sabe, a denominação é abarcada pela lei que isenta a cobrança de impostos de sua arrecadação e demais atividades.

Certo é que enquanto discutimos a Universal está construindo um império neste mundo justamente onde Jesus exortou que não dêvessemos amontoar riquezas passivos da traça e da fuligem corroerem. Para terminar o pôst como começou, uma perguna: Quem tem a razão no ensinamento, o Cristo do Evangelho ou o bispo Macedo?

Recomendado para você