Ancoradouro

Livro infantil questiona a existência de Deus

A presidente Dilma proibiu  o tal kit-gay que alguns setores da imprensa chamam de kit-antihomofobia numa tentativa de maquiar o caráter apologético das peças. Mas isso não quer dizer que nossas crianças estão a salvo. Uma série de paradidáticos e filmes de caráter duvidoso são distribuído aos alunos no início do ensino médio. Quanto ao Kit-gay, o ministro da educação, Fernando Haddad, é contumaz ao afirmar  que  ele será lançado em nova versão. Fiquemos de olho.

Quanto aos livros de ensino prejudicial ao aprendizado dos pequenos destaco a obra “depois daquela viagem”, de Valeria Polizzi. A denúncia que segue abaixo foi plugada do site do Instituto Plínio Correa de Oliveira.

Leia com atenção:

Foi assim que me escreveu um pai, indignado pelo que estão fazendo com sua filha e demais alunos no Colégio Portinari.
No texto que me enviou, explica alguns detalhes do livro “Depois daquela viagem”(de Valéria Piassa Polizzi, Ed. Ática), que supostamente serve de subsídio para aulas de “educação” sexual.

O livro faz apologia do palavrão, da promiscuidade sexual mais debandada, do vício solitário e do linguajar de baixíssimo calão.
Se isso já não bastasse, é de molde a tirar a fé dos alunos que a tenham. Peço licença para reproduzir o trecho abaixo:

– Você acredita em Deus? – era o Lucas me fazendo uma pergunta.
– Às vezes – respondi.
Ele fez uma cara de reprovação. Era uma daquelas pessoas que têm uma fé inabalável. Muitas vezes eu o invejava nisso. Continuei, irônica:
– Acho que Ele é um gordo, seminu, sentado lá em cima, com as pernas cruzadas, comendo pipoca, olhando aqui pra baixo e dando risada da cara da gente.
– Minha nossa!
– Tô só brincando – eu disse. Mas, na verdade, não estava. Muitas vezes acho isso mesmo. Noutras, nem sequer acredito que Ele existe. Acho que foi tudo uma invenção do homem devido à sua fraqueza e incapacidade de admitir que é o único responsável por sua própria vida. E o único a ocupar o espaço, muitas vezes vazio, de si mesmo.
Pois bem, esse pai que me escreveu pensou no início que era o único indignado. Alguns dias depois de me dar essa notícia, disse que a filha ficou sabendo que alguns pais de colegas estavam também descontentes. A filha, entretanto, com medo dos possíveis debiques, não quer falar muito com os colegas sobre o assunto. Mas tenho certeza de que há muitos outros contrários. E não só no Colégio Portinari!

Tenho recebido vários e-mails nesse mesmo sentido, e estou pedindo sugestões aos amigos sobre o que poderíamos fazer para reagir contra essa lama de imoralidade, que invade justamente os lugares de ensino. Pois o que está em jogo é o futuro próximo de nossos filhos e do Brasil!

E o leitor, o que pensa? Deixe seu comentário.