Ancoradouro

Conheça a história de Nossa Senhora de Lourdes

181 35

Hoje a Igreja Católica celebra o dia de Nossa Senhora de Lourdes. Conheça um pouco da história desta santa que apareceu à jovem Bernadete na França.

A santíssima Mãe de Deus, para conferir aos homens mais uma de suas infinitas graças, e para confundir o que no mundo se julga forte, escolheu um instrumento, à preferência de outros, débil, segundo São Paulo: “Deus escolheu o que é fraco no mundo, para confundir os fortes” (1Cor 1,27): Bernardete Soubirous,cujo nome hoje é reconhecido e célebre no mundo inteiro. No entanto, naquele tempo, quando tinha apenas catorze anos era apenas mais um nome desconhecido.

Confira o vídeo com a história de Nossa Senhora de Lourdes.

Nascida em Lourdes, região montanhosa dos Pirineus, aos 7 de janeiro de 1844, dois dias depois foi batizada e recebeu o nome de Maria Bernarda. Sua família era muito pobre e viviam com grande humildade, e por algum tempo, Bernarda trabalhara tomando conta do gado. De maneira que, a Virgem Santíssima observou a humildade de sua filha e a dignou – entre os dias 11 de fevereiro aos 16 de julho de 1858 – em 18 aparições celestiais. E ao indagar para a Virgem Santíssima pelo seu nome, Ela disse-lhe: “Eu sou a Imaculada Conceição”.

Mais sobre Bernadete

Como Mensageira da Virgem ao mundo, pregou penitência e oração; pediu aos sacerdotes, que construíssem um Santuário, em honra a Maria Santíssima, em Lourdes. Obedecendo ao chamado de Deus, em julho de 1867, transfere-se para Nevers, para iniciar a vida religiosa na Casa-Mãe das Irmãs da Caridade.

Terminado o noviciado no mesmo ano, faz os votos temporais, e onze anos mais tarde, os perpétuos. Predisse a todos a glória, a santidade e os futuros benefícios daquele lugar, que a partir da Aparição de Nossa Senhora, torna-se sagrado. Após esta inefável bem-aventurança, tendo Deus a levado para a solidão de um convento, e lá, esquecida pelo mundo, prepara-se para os mais admiráveis feitos, para que, pregada na cruz com Cristo e, com Ele e quase sepultada viva através das inumeráveis doenças que a acometiam, atinge profundamente através de sua profunda humildade e resignação, uma vida interior sobrenatural, para que um dia ressurja ao mundo sob a luz da santidade, e através desse testemunho, possa unir-se à glória do Senhor por meio do Santuário de Lourdes.

Admiravelmente, fulguraram nela as mais variadas virtudes, mas sua alma foi principalmente agraciada por aquelas que mais convinham a uma das discípulas prediletas da Virgem

Santa Bernadete

Maria: Humildade profunda, terníssima pureza e ardente caridade. Provou-as e ampliou-as com as dores de uma longa enfermidade e pelas angústias espirituais que lhe atormentavam, suportando-as com suma paciência. Na mesma casa religiosa, a humilde virgem permanece até a morte, quando após ter recebido os sacramentos da Igreja, invoca sua dulcíssima Mãe Maria, e retorna à casa celeste aos 16 de abril de 1879, aos trinta e seis anos de idade, doze dos quais como religiosa. Tendo vivido toda uma existência no silêncio e na humildade, com a morte torna-se resplandecente a todo o mundo pelo testemunho de santidade a nós legado.

Testemunho de cura de Pablo Lourenço

Maria é mãe, e mãe de todos. Nós a chamamos de Nossa Senhora, porque nossa história está sempre entrelaçada a Sua presença materna.

Comigo não foi diferente, pois fui entregue aos cuidados de Nossa Senhora, mesmo antes do meu nascimento. Meus pais moravam na cidade de Cubatão-SP, e no dia em que seria feito o meu parto, quando a parteira veio para ajudar no meu nascimento, minha mãe não apresentava qualquer “dilatação” para que eu pudesse nascer. Então, a parteira aplicou uma injeção para que isso ocorresse, mas não houve qualquer reação.

Minha mãe conta que a parteira disse à pessoa que estava no leito ao seu lado: “Não tem o que fazer! Irão morrer a mãe e o filho, pois passou do tempo.” Então, a senhora que estava ajudando no parto, a qual se chamava Luzia, disse à minha mãe: “Vou consagrar esta criança a Nossa Senhora”. E minha mãe fez a promessa de que me batizaria na Igreja de Nossa Senhora do Mont’Serrat, a qual fica num morro, e que subiria as escadarias, para pagar a promessa, e lá apresentaria a criança a Nossa Senhora. Ela conta que rezaram uma Salve Rainha, exatamente às 18 horas da tarde, no dia 29 de janeiro de 1961, quando, então, eu nasci nos braços da Dona Lola, minha madrinha, como é carinhosamente chamada a Dona Luzia. Minha mãe apresentou-me na igreja prometida, em maio daquele ano, onde me tornei: filho de Deus, consagrado a Maria.

Nossa Senhora me acompanha desde antes do meu nascimento. Na minha primeira infância, eu tinha muito medo de escuro. Não dormia no escuro de jeito nenhum. Quando tinha doze anos, minha mãe me deu uma imagem de Nossa Senhora de Lourdes, pequena, de plástico luminoso. Desde aquele dia, fui totalmente curado do medo, e passei a dormir todos os dias sob o olhar da Santíssima Virgem. Alguns anos depois, eu pedi a Nossa Senhora de Lourdes, que arrumasse um emprego para meu pai, pois ele estava desempregado. Passou pouco tempo, e meu pai fez um concurso público, e pela intercessão da Virgem Maria, Deus deu-lhe a graça de ele passar nesse concurso, posto em que permaneceu até se aposentar, e nunca mais, até hoje, faltou nada na casa de meu pai! Tenho essa imagem até hoje em minha casa, que, graças a Deus, é um lar abençoado.

Quero agradecer à minha mãe, aquela que me gerou, e me consagrou a Nossa Senhora. Quer saber o nome de minha mãe? Maria de Lourdes. Neste dia, meu coração se alegra muito, porque convido você a ser também devoto de Nossa Senhora de Lourdes. Recorra a Ela, em todas as suas dificuldades. O Papa João Paulo II, em sua homilia em Fátima, no dia 17 de junho de 1983, diz: “O coração da mãe é imenso: maior que o cosmos visível e invisível!”

Plugado do site da Canção Nova.

Recomendado para você