Ancoradouro

Semana das Almas

Artigo enviado pelo Prof. Felipe Aquino*

A Igreja vive de 1º a 8 de novembro a Semana das Almas. Desde o Antigo Testamento, o povo de Deus reza pelos mortos. Na passagem bíblica 2Mac 12,46, o Espírito Santo nos admoesta: “É coisa santa e salutar lembrar-se de orar pelos defuntos, para que fiquem livres de seus pecados”.

Desde os primeiros séculos a Igreja reza pelas almas dos mortos, pois por si mesmas elas já não podem mais conseguir méritos diante de Deus. Sua purificação se dá pelas nossas orações, jejuns, esmolas e indulgências por elas.

O Catecismo da Igreja nos lembra que: “A Igreja terrestre, desde os tempos primeiros da religião cristã, venerou com grande piedade a memória dos defuntos…”(§ 958). “A nossa oração por eles [no Purgatório] pode não somente ajudá-los, mas também torna eficaz a sua intercessão por nós” (§ 958).

 

São João Crisóstomo (349-407), bispo e doutor da Igreja, dizia: “Levemos-lhe socorro e celebremos a sua memória… Não hesitemos em socorrer os que partiram e em oferecer as nossas orações por eles” (1 Cor 41,15). “Os Apóstolos instituíram a oração pelos mortos e esta lhes presta grande auxílio e real utilidade” (In Philipp. III 4, pág. 62, 204).
São Cirilo, bispo de Jerusalém (†386) e doutor da Igreja, dizia: “Enfim, também rezamos pelos santos padres e bispos e defuntos e por todos em geral que entre nós viveram; crendo que este será o maior auxílio para aquelas almas, por quem se reza, enquanto jaz diante de nós a santa e tremenda vítima” (Catequeses Mistagógicas. 5, 9, 10, Ed. Vozes, 1977, pág. 38). 

Por isso, em todas as missas a Igreja reza pelos mortos. O Papa João Paulo II nos disse: “A Igreja do Céu, a Igreja da Terra e a Igreja do Purgatório estão misteriosamente unidas nesta cooperação com Cristo para reconciliar o mundo com Deus” (Reconciliatio et poenitentia, 12). “Numa misteriosa troca de dons, eles [no purgatório] intercedem por nós e nós oferecemos por eles a nossa oração de sufrágio(Losservatore Romano, 08/11/92, pág. 11).


Também podemos a cada dia ganhar para as almas a indulgência plenária – que é tirar almas do purgatório, pelos méritos de Cristo, e levá-las ao Céu. Para isso, é necessária uma boa confissão, comungar, rezar pelo Papa ao menos um Pai-Nosso, uma Ave-Maria e um Glória, e fazer uma das obras de piedade seguintes: 1 – Adoração ao Santíssimo Sacramento pelo menos por meia hora; 2 – Leitura espiritual da Sagrada Escritura ao menos por meia hora; 3 – Piedoso exercício da Via Sacra4 – Recitação do Rosário de Nossa Senhora na igreja, no oratório ou na família ou na comunidade religiosa ou em piedosa associação. Na Semana das Almas, pode-se substituir uma dessas práticas pela visita ao cemitério e rezar alguma oração pela alma da pessoa.

 

* Felipe Aquino é professor de física e matemática, autor de mais de 70 livros e apresentador dos programas “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos” na TV Canção Nova e “No Coração da Igreja”, na Rádio Canção Nova. Em julho deste ano recebeu o título de “Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno”, concedida pelo Papa às pessoas que se destacam, no seu trabalho, em prol da evangelização, em defesa da fé e o desenvolvimento da Igreja Católica.

Recomendado para você