Ancoradouro

Abortistas querem vetar Marcha pela Vida

125 4

Presidente da Câmara dos Vereadores de Fortaleza Walter Cavalcante

O vereador e presidente da Câmara Municipal  de Fortaleza Walter Cavalcante (PMDB) é objeto de crítica de uma nota assinada por mais de 3o organizações defensoras da liberação do aborto indiscriminado. A queixa das feministas é o  projeto de Lei Nº 223/2012 de autoria do vereador citado que instituiu a Marcha pela Vida integrante do Calendário Oficial de Eventos de Fortaleza.

Na nota, os grupos alegam que o  projeto de lei foi aprovado na calada. “Tal lei nos deixa extremamente indignadas, primeiramente, por ter sido aprovada à surdina, não tendo sido pautada publicamente”, afirma o texto. Contudo, o site da Câmara Municipal dos Vereadores registra que em 13 de novembro Walter Cavalcante, em sua fala no grande expediente da casa, destacou o movimento Marcha pela Vida. “O parlamentar finalizou enaltecendo as campanhas em prol da vida e informa que entrará com um projeto no Legislativo, para colocar no calendário de Fortaleza o movimento da Marcha pela Vida”, diz o texto.

O projeto foi apresentado pelo vereador dia 18 de novembro e chancelado pela Câmara dia 19 de dezembro de 2012. Nesse ínterim não foi realizada  qualquer manifestação contra o projeto de lei nº 223/2012. Somente em janeiro deste ano os grupos pró-aborto se mobilizaram na tentativa de pressionar e trazer para a pauta o veto ao projeto aprovado.

O movimento Marcha pela Vida está ligado ao Movimento pela Vida (MOVIDA) e Brasil Sem Aborto, organismos suprapartidários e suprarreligiosos que militam a favor da vida, contra o aborto. O Ceará possui um dos comitês mais ativos no país. Na última Marcha pela Vida os ativistas trouxeram a cantora Elma Ramalho, uma defensora da causa.

A propositura do Vereador Walter Cavalcante representa a opinião massiva da população que não coaduna com a legalização do aborto indiscriminado. Em pesquisa realizada pelo Data-Senado,ano passado,  82% dos entrevistados são da opinião que a lei não deve permitir a realização do aborto por mulheres que não querem ter seus filhos.

Pró-vidas em alta

A agência da Boa Notícia repercutiu nesta semana a Capa da prestigiada revista Times que  tratou sobre o crescimento dos grupos pró-vidas pelo mundo.

O blog reproduz o conteúdo da Agência:

O novo ano chegou trazendo boas novas para os ativistas pró-vidas. A capa de janeiro da renomada revista americana “Times” anuncia que os grupos que defendem a causa estão cada vez mais fortalecidos. Segundo a jornalista que escreveu o artigo, Kate Pickert, os movimentos em favor da vida estão mais organizados e eficazes, “pressionando exitosamente para obter regulações estatais que limitam o acesso ao aborto”.

Ainda de acordo com a publicação, “há 40 anos, os ativistas do direito ao aborto obtiveram uma épica vitória com (a sentença

Fac-símile da Capa da revista Times

da Corte Suprema no caso) Roe vs. Wade, que permitiu a legalização do aborto nos Estados Unidos. Contudo, eles estiveram perdendo desde então para os pró-vidas”.

O motivo deste crescimento dos pró-vidas, avalia Pickert, é justamente o engajamento e a estratégia bem executada. Ela afirma que em alguns lugares dos Estados Unidos está mais difícil recorrer a um aborto hoje do que na década de 1970. “Muitos estados requerem atualmente que as mulheres passem por aconselhamento, períodos de espera ou ultrassons antes de submeter-se a abortos”, indicou a jornalista.

O avanço tecnológico na Medicina é citado no artigo como um dos pontos que favorece o movimento pró-vida. “Graças ao ultrassom, pré-natal e aos avanços da neonatologia, os americanos podem agora saber como se vê um feto e que os bebês nascidos tão prematuramente como às 24 semanas agora podem sobreviver”, destacou Pickert, também assinalando que a opinião pública está cada vez mais ao lado da causa pró-vida.

O artigo ressalta que uma das principais forças do movimento pró-vida nos EUA é a marcha nacional pela defesa da vida que mobiliza milhares de pessoas todos os anos em janeiro, no aniversário da sentença de Roe vs. Wade. A última marcha, em 2012, reuniu mais de 400 mil pessoas, que percorreram as principais ruas da capital americana até a sede do Capitólio. (Com informações da Time e do site http://www.acidigital.com)

 

 

Recomendado para você