Ancoradouro

"Eu não aconselho a cirurgia de mudança de sexo a ninguém. É bobeira" diz a transsexual Léa T

113 23
"Foi bobeira", diz Lea T sobre cirurgia de 'mudança de sexo'. Imagem: reprodução Fantástico

“Foi bobeira”, diz Lea T sobre cirurgia de ‘mudança de sexo’. Imagem: reprodução Fantástico

Em 2011 o transsexual e modelo internacional Léa T, filho do ex-jogador de Futebol Toninho Cereso, em entrevista ao programa Fantástico (Rede Globo) disse que não havia nenhum lado bom em ser transsexual. “Você é penalizado em tudo”, desabafou.

Dois anos depois fez a cirurgia de “mudança de sexo” que consistiu em extirpar o órgão genital masculino. Ao mesmo programa, Léa concedeu nova entrevista. Apesar da insistência da repórter em passar uma imagem que o transsexual teria encontrado a felicidade, o que se vê é uma completa amargura e infelicidade.

Leia com a atenção a transcrição dos principais trechos da entrevista e voltamos em seguida. A reportagem é de Renata Ceribelli.

Ceribelli: A Lea T. fez a cirurgia de troca de sexo em março de 2012, mas só agora, quase um ano depois, ela se sente à vontade para falar sobre o assunto. Por quê?

Lea: Porque a cirurgia é uma cirurgia complicada, não é uma cirurgia simples. É uma coisa muito íntima. Estou meio sensível, estou meio voada em algumas coisas, tentando entender algumas coisas. Mas eu acho que agora eu to começando a conseguir falar a respeito dessa cirurgia, a respeito dessa pequena e grande mudança que eu fiz.

Ceribelli: Quanto tempo você ficou no hospital?

Lea: Eu fiquei no hospital um mês e meio.

Ceribelli: Em algum momento você falou: ah, eu não devia ter feito isso?

Você se sente 100% mulher? Não,não.

Você se sente 100% mulher? Não,não.

Lea: Eu fiquei um mês, sentindo dor, pensando nisso. Eu não aconselho essa cirurgia pra ninguém. Eu achava que a minha felicidade era embasada na cirurgia. Mas, não foi. Não é isso.

Ceribelli: Me lembro da nossa entrevista, bem antes de você fazer a cirurgia, você dizia que não se sentia uma mulher completa sendo uma mulher no corpo de homem. Depois da cirurgia, hoje você já diz: eu sou uma mulher completa?

Lea : Não, não!

Ceribelli: Você continua com o seu lado masculino?

Lea: Eu continuo.eu tenho minha parte masculina. Eu calço 42. Eu tenho uma mão enorme, eu tenho o ombro largo. Eu tenho umas coisas masculinas no corpo.

A entrevista prossegue e Renata questiona Lea, pois antes ela afirmava que se tratava de ser uma mulher no corpo de homem. Lea desabafa mais uma vez: “eu queria reprimir, eu reprimia muito. Quando, do momento que eu fiz a minha cirurgia e que eu fiquei um mês deitada na cama, eu entendi que isso tudo é uma bobeira.

Reparem uma da últimas perguntas. Lea responde o óbvio que poucos tem vergonha de dizer.

Ceribelli: Você hoje é 100% mulher?

Lea: Não. Eu nunca vou ser cem por 100% mulher.

SUS determina atendimento a cirurgias  de “mudança de sexo”. 

Embora com vasta literatura médica sobre o assunto, a cirurgia  como a de Lea é delicada e arriscada. Mais complicada ainda é a intervenção cirúrgica que atende mulheres  que querem se tornar homem.  Os efeitos não são comprovados pela medicina.  O chocante é que o Ministério da Saúde, na gestão de Governo Petista, determinou, no último dia 21 de novembro,  através da portaria 2.803 publicada no Diário Oficial da União que o Sistema Único de Saúde atenda a estas solicitações. 

Cirurgia é delicada e experimental.

Cirurgia é delicada e experimental.

Pessoas de apenas 18 anos podem iniciar o processo, que ainda é uma incerteza até para a medicina.  Segundo matéria do Correio Braziliense, ” A cirurgia de retirada de parte da vagina e a de implante peniano e testicular, no entanto, entra no rol de procedimentos com caráter experimental”. Ou seja, os brasileiros serão cobaias de uma intervenção séria.

Sem contar que a cirurgia desencadeia em muitos casos depressão que desemboca em suicídio. Conceder esse favor a jovens de apenas 18 anos é um risco a que estamos expondo estas pessoas.

Imaginemos que Lea fez o procedimento  com os melhores profissionais, com acompanhamento psicológico de ponta no pré e pós cirurgia e o resultado é o que se ver, flagrante infelicidade e arrependimento. Agora apliquemos isso ao SUS que mal consegue atender satisfatoriamente os casos de saúde pública no país.

Os documentos oficiais podem até mudar a identidade da pessoa de homem para mulher ou vice e versa, mas biologicamente jamais haverá uma real mudança de sexo. 

 

Recomendado para você