Ancoradouro

Jean Wyllys chama homem de "negro gordo" em discussão no Twitter.

O deputado federal, eleito por coeficiente eleitoral do Psol, Jean Wyllys, chamou um  Tuiteiro de “negro gordo” e “burro” porque este  discordou do ex-bbb sobre questões ligadas ao Projeto  de Lei  Complementar (PLC) 122 conhecido como Lei da Mordaça Gay, recentemente apensado ao projeto do novo Código Penal.

Valmir Cesar escreveu a seguinte mensagem direcionada ao deputado: “ñ se faça de desentendido, vítima! vc sabem muito bem q a intenção do PL 122 era de acabar cm a liberdade de expressão“. Ao que o ex-bbb respondeu: “um negro gordo se opondo a um projeto anti-discriminação de minorias é mais que burrice: é fim de mundo!“.

Deputado não tolera quem discorda de seus pensamentos nas redes sociais.

Deputado não tolera quem discorda de seus pensamentos nas redes sociais.

O público reagiu negativamente à resposta de Jean. Em sua página no Facebook, o parlamentar se fez de vítima afirmando que o rapaz o “atacou”. Na verdade, Valmir apenas emitiu uma opinião contrária a de Wyllys. O vencedor do reality show mais famoso do Brasil chamou pela segunda vez o cidadão de “negro gordo”.

Ex-bbb chamou homem de negro gordo.

Ex-bbb chamou homem de negro gordo.

Na lógica do deputado Jean Wyllys parece  inconcebível a uma pessoa negra e gorda, pertencente – segundo ele – a uma minoria emitir opinião contrária a qualquer lei, projeto ou ação considerada positiva  para este grupo.

Deputado ficou conhecido no país depois de vencer um reality show.

Deputado ficou conhecido no país depois de vencer um reality show.

Imaginemos como Jean chamaria um negro que discordasse das políticas de cotas raciais ou  um homossexual que rejeitasse o PLC 122, por exemplo. Certamente seriam alvos de sua verborragia, assim como foi o deputado Clodovil Hernandes, homossexual assumido mas discordante da agenda  LGBT. “Ele tinha homofobia internalizada, ele não tinha orgulho da orientação sexual dele“, disparou  o ex-bbb contra o então colega.

Assumindo  a pele de vítima, o deputado se sente no direito de atacar quem pensa diferente de suas opiniões. Ao Papa emérito Bento XVI já o chamou de genocida em potencial; aos deputados que não comungam com o proselitismo gay ele rotula de fundamentalistas e pregadores do ódio.

O deputado que luta contra a intolerância mostra-se como o mais sem complacência, de todos, especialmente com os acima do peso. À apresentadora Mara Maravilha também chamou de gorda quando esta se manifestou contrária ao casamento gay.

E assim Jean Wyllys pensa que está no  BBB onde pode ridicularizar as pessoas e quando se sente ameaçado refugiar-se na sombra de sua opção sexual. A vida não é um reality show e as pessoas podem ter opinião diferente, mesmo as negras e gordas. 

Reparem que aqui nem falei da questão do racismo. Daria um pôst á parte. 

Recomendado para você