Ancoradouro

O Papa está doente?

/ancoradouro/2014/06/28/o-papa-esta-doente/
1293 5

Roma – A resposta para  esta pergunta não é fácil. A verdade seria dizer sim e não. Sim, porque o  Papa Francisco é um homem doente,  possui  problemas crônicos de saúde que nunca foram escondidos nem alardeados, mas simplesmente constatados: Desde os 21 anos vive com um só pulmão, há muito sofre com dores nas articulações dos pés e joelhos que deveriam impedi-lo de ajoelhar-se já há muitos anos  e  tem grande probabilidade de ser  o ancião de 78 anos com menos tempo para si no mundo inteiro.

pap francisco ancoradouro

Não, o Papa não  está doente gravemente, ao menos é o que garante a sala de imprensa do Vaticano. Ele é uma pessoa que tem deficiências de saúde, com as quais convive  há muito tempo, como já foi dito. Mas o  ritmo de vida que Bergoglio tem levado como Papa,  não pode ser comparado em  nada com a vida que tinha como arcebispo de Buenos Aires.  Encontrar milhões de pessoas  em audiências públicas e privadas, religiosos, reis, chefes de Estado, autoridades, visitar paróquias, grupos e outras realidades pastorais em Roma, dioceses na Itália e o que é mais cansativo, as viagens internacionais. Em resumo, o Papa não tem sossego!

Nos últimos dias difundiram-se boatos de que ele estaria muito mal pelo simples fato de as audiências e compromissos dele terem sido suspensos nos próximos dias. É bom prestar atenção a duas coisas: primeiro- quem está divulgando rapidamente tal boato é  o grupo ao interno da própria Igreja insatisfeito com o modo de ser e agir do atual Pontífice. É hora de rezar por ele sim, como aliás ele sempre pediu a todos nós desde o primeiro instante da sua aparição em público. Mas além de rezar por sua saúde, é bom acrescentarmos a frase que se encontra na oração própria pelo Sumo Pontífice que diz, “o Senhor o conserve por longo tempo no governo da Santa Igreja e não o abandone nas mãos dos seus inimigos”.

pap francisco 2 ancoradouroA segunda coisa,  é lembrar de que, na Europa e no Norte do mundo, estamos iniciando o verão, tempo das férias prolongadas.  Será que não nos lembramos mais que João Paulo II e Bento XVI tiravam ao menos um mês de férias indo geralmente para a residência de verão em Castel Gandolfo?  Ano passado, Papa Francisco não  usufruiu do seu merecido e necessário tempo de descanso por vários motivos: tínhamos passado pelo impacto da renúncia de um Papa depois de tantos séculos,  o novo eleito estava no trono de Pedro há poucos dias já com uma agenda cheia, incluindo a Jornada Mundial da Juventude, o maior evento promovido pela Igreja atualmente.

Mas não tirar férias, traz muitas consequências, não só para a pessoa do Papa. Ele não faz as coisas sozinho. São milhares de pessoas  que colaboram com seu ministério pastoral em vários campos: segurança, saúde, diplomacia, tradução, celebrações e eventos, viagens, limpeza, infra- estrutura,  etc. Algumas destas pessoas  são voluntários, mas na maioria são empregados assalariados com direito a férias como as pessoas normais. Essas pessoas têm família, devem cuidar da sua saúde, viajar, descansar… E não é justo nem  legal mantê-las ocupadas 365 dias por ano, tirar-lhes o sagrado direito de repousar, conhecer novos lugares, conviver mais com a  família, coisas que o período de férias proporciona. E disso o Papa também precisa. Ele já confessou que gosta de encontrar as pessoas, que não pode viver sozinho. Mas, se é bom encontrar desconhecidos, como ele faz quase todo dia, muito melhor será ainda se deixarmos o Papa ter o direito de tomar seu chimarrão e conversar animadamente com seus  parentes e  velhos amigos que, tenho certeza são  muitos. Creio que no momento sua maior doença seja mesmo falta de sossego, direito do qual, nem mesmo Jesus Cristo abdicou, fugindo da multidão e até dos discípulos. Deixemos o Papa em paz e enquanto isso, trabalhemos e rezemos por ele e por nós.

Frei Francisco Lopes, OFMCap

Sacerdote Franciscano Capuchinho, licenciado em Filosofia, pós-graduado em Comunicação social, Mestre e Doutorando em Teologia da Comunicação. É Secretário para a Língua Portuguesa na Cúria Geral dos Capuchinhos em Roma.

Recomendado para você