Ancoradouro

Enfermos terminais tentam dissuadir Americana do suicídio

128 3

“Morte com dignidade” é o eufemismo para suicídio que algumas cidades dos Estados Unidos adotam. O caso mais famoso é o da jovem Brittany Maynard que ao descobrir que estava com um tumor classificado como  incurável pela medicina decidiu marcar o dia própria morte. Será neste sábado, dia 1º de novembro.

Americana marcou a data do suicídio.

Americana marcou a data do suicídio.

Pessoas na mesma situação de Brittany tentam dissuadi-la da decisão. Como o seminarista Phillip Johnson. O “que espera receber a ordenação diaconal no início de 2015 e a sacerdotal em 2016, apesar de ter sido diagnosticado pelos médicos em 2008 com apenas um ano e meio de vida“, segundo informação publicada pela Agência de Notícias  AciDigital. 

“Recordo o momento em que vi as imagens computadorizadas dos scanners cerebrais. Fui à capela da base e caí no chão chorando. Perguntei a Deus ‘por que eu?’”, escreveu Johnson em uma coluna publicada em 22 de outubro, intitulada “Querida Brittany: Nossas vidas valem a pena serem vividas, inclusive com câncer cerebral” para o site da Diocese de Raleigh (Estados Unidos).

Phillip Johnson. Foto: Diocese de Raleigh.

Phillip Johnson. Foto: Diocese de Raleigh.

Depois de consultar os seus médicos, Johnson entendeu que “gradualmente perderei o controle das minhas funções corporais sendo ainda jovem, terei desde paralisia até incontinência, e é muito provável que as minhas faculdades mentais também desapareçam e terei confusão e alucinações antes da minha morte“.

Assim como a mulher com a doença terminal, ele não quer morrer ou “sofrer o resultado provável desta doença”. “Eu acho que ninguém quer morrer dessa maneira”.

Entretanto, Johnson acha que um sofrimento assim não diminui o seu valor como pessoa. “A minha vida significa algo para mim, para Deus e para a minha família e amigos, e, salvo uma recuperação milagrosa, continuará significando muito depois que esteja paralisado em uma cama de hospital”.

“A minha família e amigos me amam por quem sou, não só pelos traços de personalidade que lentamente irão embora se este tumor avança e toma a minha vida”.Johnson disse que continuará rezando por Maynard em sua doença, para que ela “entenda o amor que todos temos por ela antes que acabe com a sua própria vida”.
Se ela deixar de lado a ideia de suicidar-se e escolher lutar contra a doença, ela seria “um exemplo incrível e inspiração para outras inúmeras pessoas que estão na mesma situação”. “Ela certamente seria uma inspiração para mim enquanto continuo a luta contra o meu próprio câncer”.

Outra História

Quem também torce para que a jovem Maynard reconsidere sua decisão pela eutanásia  é Kara Tippetts, mãe de 4 filhos que possui tumor cerebral em fase terminal. Tippetts escreveu uma emocionante carta para a jovem americana.

Confira trechos da carta ( tradução: Aleteia)

O meu oncologista e eu falamos hoje da sua agonia, da minha e da bela colaboração que tenho com os meus médicos, que me acompanham nestes últimos momentos com cuidados amorosos. Por dois mil anos os médicos estiveram ao lado da defesa da vida, cuidando com amor dos pacientes que morrem na graça. O médico que lhe prescreveu a pílula que irá acelerar a sua morte se desviou do Juramento de Hipócrates, que diz que primeiramente não se deve fazer o mal. Ele, ou ela, se desviou do juramento que defende a vida e o morrer bem que nos é concedido.

Kara Tippetts

Kara Tippetts

Há pessoas que falam, em tons desagradáveis, que nós que acreditamos em Jesus nos sentimos inseguros, não desejados e não amados. Mas no meu sussurro, na minha súplica, minha querida, escutará o meu coração que lhe pede, lhe pede por favor, lhe suplica, para não tomar esta pílula. Sim, a sua morte será difícil, mas não será privada de beleza.

Por favor, você confiaria em mim nesta verdade? E, algo ainda mais importante, você escutará do seu coração que Jesus a ama? Ama. Sofreu uma morte horrível sobre uma cruz para que você o conhecesse hoje, para que nós não precisássemos viver separados Dele na nossa morte. Morreu e a Sua morte aconteceu; não é simplesmente uma história.

Subiria em um a avião amanhã mesmo para ir vê-la e compartilhar minha história e encontrar-lhe na sua casa, se você quiser me receber. Rezo para que estas palavras cheguem até você. Rezo para que cheguem a multidões que estão olhando a sua história e acreditando na mentira de que o sofrimento é um erro, que morrer não é ser corajoso, mas que escolher a nossa morte é ser corajoso.

Não, acelerar a morte nunca foi a intenção de Deus. Mas na nossa agonia, Ele nos doa a Sua graça. O Juramento de Hipócrates é importante, e aqueles que escolhem se afastar precisam ser desafiados. Me faz mal ao coração saber que decidiram se afastar da proximidade da graça que protege a nossa vida e a nossa morte.

Decidi cooperar com o meu médico na minha agonia, e será uma viagem bela e dolorosa para todos nós. Mas me escute: não é um erro. A beleza nos encontrará no nosso último suspiro.

Recomendado para você