Ancoradouro

Arquidiocese de Olinda esclarece episódio envolvendo "padre" preso com maconha

107.23.176.162 /ancoradouro/2014/11/21/arquidiocese-de-olinda-esclarece-episodio-envolvendo-padre-preso-com-maconha/
22 Seja o primeiro a comentar

A Arquidiocese de Olinda (PE) esclarece através de nota assinada pelo arcebispo Dom Antonio Fernando Saburido que  Mário Roberto Gomes de Arruda preso nesta quinta-feira, 20, por tráfico de drogas na igreja de Pontezinha não faz parte do clero da Arquidiocese de Olinda e Recife.

Maconha foi escondida em imagens religiosas.

Maconha foi escondida em imagens religiosas.

Mário Roberto “ foi ordenado padre, na Arquidiocese de Juiz de Fora (MG)” e foi expulso de modo definitivo e irrevogável dos quadros da Igreja pelo então Papa Bento XVI. Ele não pode exercer nenhuma função religiosa na Igreja Católica Apostólica Romana que “não o reconhece mais como padre”, diz a nota.

O prédio onde Mario foi preso com outro homem não é templo católico. ” A única paróquia da Igreja Católica Apostólica Romana em Pontezinha é a Paróquia Nossa Senhora Rainha da Paz no bairro de Pontezinha, no Cabo de Santo Agostinho, é administrada pelo padre Luiz Gustavo Vila Verde. Também não há nenhuma capela dedicada a São Judas Tadeu na paróquia”. 

olinda

Trajetória de erros

Ao sair da Igreja Católica Apostólica Romana Mário procurou refúgio na Igreja Brasileira daquela região. Sete anos depois foi expulso por conduta inapropriada para um religioso e se negou a deixar o templo da Igreja Brasileira, local onde foram encontrados 176 Kg de maconha.

“O ex-padre montou, após a expulsão da Igreja Brasileira, a Associação da Ordem Beneditina Missionária, através da Igreja Católica Apostólica Americana, submetida a uma igreja em Vitória da Conquista, na Bahia”, de acordo com informações do JCOline. 

Recomendado para você