Ancoradouro

Conselho Federal de Medicina repudia Campanha do Governo Federal sobre racismo

Fanático por rádio, confesso que sou ouvinte assíduo do programa A Voz do Brasil. Sei que se trata de comunicação institucional, sempre fala bem do Governo, mas, a qualidade, produção e simpatia pelos âncoras e repórteres se sobrepõem à bajulação, além do dever que temos de ouvir as várias fontes de informação.

racismo2

Pois bem, foi neste noticioso que ouvi sobre uma nova campanha do Ministério da Saúde que me deixou encucado. O Governo Federal estava lançando uma campanha para combater o racismo na saúde pública. A ação era justificada por uma pesquisa na qual se constatava que o negro não era bem atendido na rede pública, era discriminado. Logo, lembrei-me de minha mãe, que não é negra, e toda vez que precisa de atendimento no SUS enfrenta um verdadeiro calvário.  Pensei com os meus botões, esse povo está maluco em fazer uma campanha como essa. Lembro-me que as denúncias de racismo poderiam ser feitas pelo 136 durante todo o dia.

 

Um dia depois do ocorrido vejo que não foram só os meus botões que ouviram lamento sobre a campanha. A classe médica composta por mais de  400 mil profissionais ficou revoltada com a campanha publicitária do Ministério da Saúde. O Conselho Federal de Medicina lançou uma nota repudiando a ação. Para a autarquia, a campanha desconsidera os problemas estruturais do SUS, como o financiamento limitado, o fechamento de leitos, a falta de insumos e medicamento e a ausência de uma política de recursos humanos. “São essas as causas do mau atendimento para a população, não importando questões de gênero, classe social ou etnia”, defende a nota. O texto argumenta ainda que o Código de Ética Médica já estabelece a não discriminação por razões vinculadas à herança genética.

Leia a Nota na íntegra

O Conselho Federal de Medicina (CFM) – em nome dos 400 mil médicos brasileiros – repudia o tom racista de campanha lançada pelo Ministério da Saúde, que desconsidera os problemas estruturais de atendimento que afetam toda a população.

racismoOs médicos são contra qualquer tipo de preconceito na assistência a pacientes nas redes pública e privada. O Código de Ética Médica em vigor já estabelece que os médicos devem zelar para que “as pessoas não sejam discriminadas por nenhuma razão vinculada à  herança genética, protegendo-as em sua dignidade, identidade e integridade”.

Por outro lado, o CFM reitera sua preocupação com as condições de trabalho e de atendimento oferecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), o qual tem sido penalizado pelo financiamento limitado, fechamento de leitos, falta de insumos e medicamentos, e ausência de uma política de recursos humanos. Na verdade, são essas as causas do mau atendimento para a população no SUS, não importando questões de gênero, classe social ou etnia.

É tarefa dos gestores de todas as esferas – federal, estadual e municipal – tomarem providências para resolver estas questões, cujo enfrentamento efetivo contribuirá, sem dúvida, para melhorar a qualidade da assistência e reduzir os indicadores de mortalidade e morbidade.

Sem a adoção de medidas contra esses problemas, os pacientes que recorrem à rede pública continuarão a ser testemunhar o desrespeito aos princípios constitucionais do SUS (universalidade, equidade, integralidade), o que configura uma agressão aos direitos individuais e coletivos e à dignidade humana.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA
Brasília, 27 de novembro de 2014

 

 

Recomendado para você