Ancoradouro

Caso Fábio Assunção: artista que classifica dependência química como doença defende legalização das drogas

A dependência química do ator Fábio Assunção se tornou pública e motivo de chacota em vários rincões da internet, tendo como cume a fabricação de máscaras com o rosto do ator que prometem viralizar no período do carnaval.

Máscara do ator Fábio Assunção.

Diante da situação, alguns artistas decidiram se pronunciar em defesa do ator, lembrando que a dependência química não é piada, mas uma doença. Ainda, por trás daquele artista existe um ser humano, que possui uma família e as piadas  apenas aumentam a dor sobre este flagelo.

Por outro lado, chama atenção quem reconhece a dependência química como uma grave doença e, ao mesmo tempo, são favoráveis à legalização das drogas.

A cantora Clarice Falcão postou uma imagem com a foto do ator e texto reforçando a gravidade da doença que ele enfrente. Mas em 2017, a artista se posicionou, em entrevista ao site Metrópole, favorável à legalização das drogas.

Dependência Química é mesmo uma doença 

A coordenadora do Brasil Sem Drogas – CE, Rossana Brasil Kopf se posicionou contra piadas com esse tipo de doença.  “Chega de rirmos da dor alheia e de fazermos piadas disso, dependência química é uma doença incurável, progressiva”.

Rossana Brasil, a Dama do Bem do Ceará assume mais uma missão, desta vez, o Movimento Brasil Sem Drogas, do Ceará.

Rossana reforça a posição contrária à legalização desses entorpecentes. O Movimento Brasil Sem Drogas é uma das vozes no país que  trabalha com a conscientização como forma de prevenção e denuncia as formas que volta e meia buscam a legalização das drogas no país.

Recomendado para você