Artesanato da Mente

A verdadeira experiência da arte

304 2

quadros

Eu sou um profundo admirador da arte, e tenho certeza que ela faz toda a diferença na vida daqueles que a tem como algo verdadeiramente importante na vida. Vou fazer uma pequena reflexão sobre isso a partir de um trecho de uma entrevista feita com o grande poeta brasileiro Ferreira Gullar.

Eu gostaria de reafirmar tudo isso aqui porque estamos vivendo uma época em que os valores culturais vêm sendo substituídos pelo entretenimento. A mídia transforma tudo em entretenimento. O único valor que existe é a notícia, a novidade sob forma de notícia. E isso é uma ameaça ao ser humano porque esse pessoal jovem que está sendo manipulado pela mídia não se preocupa, em sua formação literária, com a experiência do que seja a obra de arte, que não é uma realização gratuita, mas uma necessidade profunda do ser humano. E o que acontece? Acontece que, quando se esgota o mito da juventude e o sujeito já não tem mais como pular o rock na praia de Ipanema, quando acaba tudo isso e ele começa a “bater pino”, não tem para onde se voltar porque lhe falta a verdadeira experiência da arte.

Ferreira Gullar

Estas são palavras muito verdadeiras e atuais. Realmente estamos vivendo uma época em que os valores culturais vêm sendo substituídos pelo entretenimento, e isso tem feito as pessoas nivelarem suas referências, gostos e hábitos por baixo. As pessoas não estão mais buscando a excelência, e acredito que o gosto pela arte pode apurar todos os nossos sentidos, desejos, escolhas, produtividade etc. Para alguns pode até parecer que não, mas a arte tem esse poder de nos fazer evoluir para além das nossas expectativas, tomo por mim, quanto mais me encanto com a arte e suas belezas, mais criativo me torno, mais produtivo e mais feliz também.

Mas a mídia extremamente manipuladora e influenciadora tem levado cada vez mais a população a se tornar CONSUMISTA, gastando seu precioso tempo com compras e com entretenimentos que não instigam a arte, mas apenas o sedentarismo, a preguiça, os maus hábitos, o isolamento etc. Isso que estou falando aqui é muito sério e precisa-se dar a devida atenção. Se eu perguntar a um adolescente quando foi a última vez que ele foi ao teatro, ou a uma exposição de quadros, um museu, um circo, uma orquestra… provavelmente vou ter como resposta que “nunca foi” ou que não vai “há anos”, e isso pode trazer consequências terríveis, e uma delas está muito bem dita pelo poeta Ferreira Gullar neste trecho da entrevista, que é a não vivência da verdadeira arte, e o que é a não vivência senão um tempo que não volta? Ou seja, um tempo perdido?

Depois de passada a adolescência e o tal mito da juventude vai restar o quê? LAMENTAÇÕES. Os jovens vão fazer como diz o grande Jorge Luís Borges: “Eu fui uma desta pessoas que viveu sensata e produtivamente cada minuto de minha vida. Eu era uma destas pessoas que nunca ia a parte alguma sem um termômetro, uma bolsa de água quente, um guarda-chuva e um pára-quedas. Se voltasse a viver, viajaria mais leve. Se eu pudesse voltar a viver, começaria a andar descalço no começo da primavera e continuaria assim até o fim do outono. Daria mais voltas na minha rua, contemplaria mais amanheceres e brincaria com mais crianças, se tivesse outra vez uma vida pela frente. Mas, já viram, tenho 85 anos e sei que estou morrendo…”.

* Lamentações de uma vida

Você quer ser esse cara “certinho”, vivendo sensata e produtivamente cada minuto de sua vida? E chegar à velhice como quem nunca viveu? Eu não quero e estou aqui hoje para lhe fazer refletir sobre isso. Busque a arte, a verdadeira arte, essa que enche o seu coração de alegria, de poesia, de música, de cantos, de risos. Essa arte fará de você um ser humano magnífico, e por incrível que pareça, bem melhor em todos os outros aspectos, social, amoroso, profissional e financeiro. Experimente e veja os resultados na sua vida…

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

Recomendado para você