Artesanato da Mente

Mude do “Eu sei” para o “Eu sinto”

1541 5

como-ter-elevada-auto-estima-iii-6-232

A vida e todas as experiências pelas quais tenho passado estão me ajudando a ter um olhar cada vez mais apurado e profundo sobre diversas coisas.

Gosto muito de ouvir com atenção tudo que as pessoas dizem, e se estão sofrendo com algo, procuro, na medida do possível, dar conselhos.

Infelizmente, é bem comum eu me deparar com algumas pessoas que escutam o que falo e dão uma de Faustão, antes mesmo de eu terminar de falar já soltam uma frase bem perigosa: “Mas eu já seu disso…”.

Sabe? Será que sabe mesmo? Então porque está sofrendo? Eu uso na minha vida esse conselho que estou dando, passo por situações semelhantes e comigo funciona. Por que será que com você não funciona?

Essa é a questão principal. A outra está no campo do RACIONAL, do MENTAL, e não no campo do EMOCIONAL, do CORAÇÃO.

Se você conseguir virar essa chave do seu subconsciente, meu amigo! Sua vida vai deslanchar e você vai longe…

Tenho cada vez mais dito às pessoas: “Olha só! Não acredite em nada do que eu estou falando, OK? Experimente por um dia, por uma semana e depois me procure!”.

Aqui acolá algumas pessoas me procuram dizendo que o que sugeri funcionou, e isso me deixa bastante feliz. As que mudam seus padrões é porque confiaram do que disse e tiveram a devida coragem de experienciar.

As pessoas com a mente muito lógica têm mais dificuldade de mudarem seus padrões de comportamento, porque elas estão carregadas de medos, de condicionamentos, de traumas do passado, e sentem pavor de adentrar esses territórios das emoções.

Eu fiquei vários anos da minha vida nesse processo de autoconhecimento profundo, e isso mudou toda a minha forma de reagir no mundo. Hoje eu sempre sigo o meu coração, porque é ele que me conecta com minha essência.

É preciso passar por um processo de perder os medos internos para conseguir sentir em vez de apenas pensar! Espero que você esteja conseguindo entender. Existe uma sutileza muito grande no que estou dizendo aqui.

Vou citar apenas um exemplo para ficar mais fácil de entender.

Eu digo a uma mulher que tem dependência emocional do seu parceiro para que ela siga a sua vida de um jeito mais leve, deixando seu namorado ser ele mesmo, seguindo de maneira independente, sem forçá-lo a ser diferente do que é…

Aí ela vem e responde: “Eu sei Isaias! Eu faço isso!”.

Faz? E por que fica querendo saber o tempo todo o que o fulano está fazendo? Onde ele está? Por que não está sendo muito carinhoso?

E posso completar esse discurso com outras palavras: “E você diz que sou dependente. Eu não sou não! Eu trabalho! Ganho meu dinheiro, eu sou independente…”.

E quem foi que disse que eu falei de dinheiro? Eu estou falando de DEPENDÊNCIA EMOCIONAL, e não de DEPENDÊNCIA FINANCEIRA. É bom diferenciar as coisas, concorda?

Percebe que existe um lado puramente intelectual aí! Muitas vezes algumas pessoas têm dificuldade de compreender isso.

Estou sugerindo com esse pequeno texto uma chave de mudança de posturas na vida. Se você deixar de ser tão racional, tão orgulhoso, tão arrogante de achar que já sabe das coisas, tem uma probabilidade muito maior de fazer com que a sua vida flua de um jeito leve. Ao mudar por dentro você vai passar a dizer: “Puxa! Eu sinto que as coisas estão mudando! Eu sinto que agora eu estou me tornando autoconfiante de verdade. Eu sinto que agora eu estou aprendendo a me valorizar…”.

Eu sinto! Mude do “eu sei” para o “eu sinto”. Bom exercício…

 

 

Recomendado para você