Artesanato da Mente

O amor é o encontro de duas paciências

“A paixão é o encontro de duas pressas. O amor é o encontro de duas paciências” – Fabrício Carpinejar

Essa frase me trouxe uma imensidão de reflexões. Apesar de curta, ela é muito profunda e verdadeira. Estamos em tempos no qual a pressa parece que se tornou o guia dos relacionamentos e o Carpinejar vem nos mostrar que somente com paciência é que o amor pode ser despertado e crescer.

Por esses dias também ouvi um programa de rádio da “Vibe Mundial” bem bacana com a querida Barbara Moreira. Entre as várias temáticas ela falou sobre muitas pessoas se sentirem tristes e frustradas porque procuram um grande amor e muitas vezes não o encontram.

Ela citou o exemplo de uma garota que trabalha numa multinacional e pela empresa conheceu um jovem brasileiro que mora no Japão e trabalha na filial de lá. Eles passam cerca de 2 anos se comunicando o tempo todo por videoconferência sem ela nem se dar conta de que após esse tempo ele se mudaria para ao Brasil e iria trabalhar na mesma filial que ela.

Como ela gostava de falar com ele combinaram de se encontrar sem criar expectativa alguma. Para sua surpresa ela saiu do jantar completamente apaixonada e vice-versa. Daí se iniciou uma bela história de amor com a possibilidade de durar até mesmo a vida toda!

Ela concluiu o exemplo dizendo que o relacionamento que garota tanto sonhava estava sendo co-criado por ela, mas no tempo que ela precisava para que fosse harmonioso e o ideal para ela.

Nesse exemplo, a garota estava no tempo da paciência e não no tempo da pressa. Com isso atraiu um amor verdadeiro, e não apenas uma paixão corriqueira.

Todos nós precisamos definitivamente introjetar na mente que a realidade se mostra bem diferente daquilo que imaginamos e conjecturamos. Porém, parece que precisamos levar altos tombos na vida até de fato aprendermos isso não é mesmo?

Talvez algum leitor fique se questionando assim: “Mas isso é um exemplo hipotético Isaias. Isso não acontece na vida real?”. Como assim não acontece na vida real? Vi algo semelhante acontecer com uma pessoa muito querida.

Uma amiga que também escreve na internet recebia comentários elogiosos em diversos textos vindos da mesma pessoa. Ela ficava encantada com o carinho das mensagens, a admiração sincera, a alegria, o bom humor, a paz, a segurança, a confiança que o rapaz dos comentários lhe transmitia.

Nesse processo eles passaram a se falar com frequência pelas redes sociais, pelo Whatsapp, pelo Skype. E nisso ficaram por um longo tempo estreitando essa amizade. Até que finalmente conseguiram se encontrar e iniciar um namoro, mesmo os dois morando em estados diferentes!

Foi uma das histórias de amor mais lindas que conheci. Ela estava aberta para o universo lhe proporcionar o relacionamento dos seus sonhos e teve paciência para aguardar a pessoa que tanto almejava encontrar.

Eu acredito nesse amor profundo, sincero e verdadeiro. Inclusive, costumo repetir para os amigos, para meus alunos e para meus pacientes em consultório a bela máxima da Santa Teresa de Ávila: “A paciência tudo alcança”. Alcança na felicidade, na realização profissional, no relacionamento amoroso, nas amizades, no bem estar do corpo e da mente etc.

Lembre-se todos os dias que a paciência e o amor andam sempre de mãos dadas…

 

Recomendado para você