Asas e Flaps

A Aviação do Exército Brasileiro 2ª Parte

 

A área administrativa abriga os pavilhões do QG do Comando de Aviação do Exército (CAvEx) e da administração da Base de Aviação de Taubaté (BAvT), as instalações provisórias do escalão avançado da DMAvEx e do Centro de Instrução de Aviação do Exército (CIAvEx), além de alojamentos e refeitórios.

 

A Base conta ainda com uma área residencial com 288 unidades para oficiais, sargentos, cabos e soldados, praça comercial com bancos, restaurante, papelaria, lanchonetes e outros estabelecimentos, inclusive um hotel de trânsito e a Capela Nossa Senhora de Loreto. Nesta área está sediado o Aeroclube Regional de Taubaté e, junto à pista, o terminal de passageiros construído pela Prefeitura de Taubaté.


A Base conta ainda com uma área residencial com 288 unidades para oficiais, sargentos, cabos e soldados, praça comercial com bancos, restaurante, papelaria, lanchonetes e outros estabelecimentos, inclusive um hotel de trânsito e a Capela Nossa Senhora de Loreto. Nesta área está sediado o Aeroclube Regional de Taubaté e, junto à pista, o terminal de passageiros construído pela Prefeitura de Taubaté.

O uso de helicóptero tem por objetivo proporcionar deslocamentos rápidos e precisos, de forma a iludir ou desorientar os sistemas de defesa do inimigo, possibilitando ligações de comando e a observação, a vigilância em amplas áreas, o que resulta na economia de efetivos e de materiais. Este, ainda, na guerra moderna, constitui uma excepcional arma contra carros de combate e viaturas blindadas.

HB 350 L1 – Esquilo (HA-1)
AS 550 – Fennec (HA-1)

A doutrina de emprego da Aviação do Exército prevê missões de reconhecimento e de ataque executadas por aeronaves. Para cumpri-las, a AvEx lança mão dos helicópteros Esquilo (HB 350 L1) e de sua versão aprimorada, o Fennec (AS 550), designados helicópteros de ataque (HA-1).

A doutrina de emprego da Aviação do Exército prevê missões de reconhecimento e de ataque executadas por aeronaves. Para cumpri-las, a AvEx lança mão dos helicópteros Esquilo (HB 350 L1) e de sua versão aprimorada, o Fennec (AS 550), designados helicópteros de ataque (HA-1).
[size=9]Ambas são aeronaves de pequeno porte dotadas de um único motor Arriel de 625 Hp, o que proporciona uma grande reserva de potência, mesmo operando com peso máximo.
Tratam-se de aeronaves ágeis, rápidas, versáteis e com considerável autonomia de vôo (três horas) e velocidade (podem atingir até 287 Km/h), características que as avalizam para o emprego em reconhecimentos – quando se quer chegar rapidamente até o inimigo, observá-lo e retornar sem ser visto –
e em missões de ataque, pois podem ser armadas com metralhadoras .50 e foguetes SBAT 70, nos quais podem ser usadas ogivas


No próxino post   AS 365 K – Pantera (HM-1)

Fonte: CINEASTV

Recomendado para você