Ativa Idade

Saiba como tornar o sexo possível na terceira idade

Mais ativos e saudáveis, as pessoas acima dos 60 anos estão apostando no sexo para viver melhor e fugir dos problemas. Mas para isso acontecer, é necessário tomar alguns cuidados antes e durante as relações sexuais

Menos estresse e mais autoestima. Estes são alguns dos benefícios que o sexo pode promover para quem o pratica. E na terceira idade, principalmente, cada um deles é bem-vindo. De acordo com Zenilce Vieira Bruno, psicóloga, sexóloga e pedagoga, os efeitos da idade não servem para nivelar as respostas sexuais, pois para cada pessoa essas mudanças acontecem de acordo com sua história de vida. “O amadurecer pode trazer limitações físicas, mas não deve limitar a qualidade de vida”, ressalta. Afinal, o envelhecimento é um processo fisiológico, sendo totalmente descaracterizado como uma enfermidade.

Não é à toa que a sexualidade está presente em todos os momentos da vida, indo do nascimento até a morte. Na criança, por exemplo, o fenômeno acontece em seu contexto infantil, no qual gera experiências prazerosas sem consciência do sentido, fazendo um registro profundo de sensações nas memórias do indivíduo. “Isso alicerça uma espécie de certeza de algo “bom” ou “negativo” no corpo, que se cola à pele e a torna responsiva ou não ao toque. Essas impressões fazem eco na forma como vivemos a sexualidade na fase adulta”, explica. Já na velhice, essas experiências estão mais apuradas e estabelecidas, definindo gostos específicos no momento do ato. “A sexualidade na terceira idade pode ter uma grife da sabedoria, que não deve deixar-se perturbar por possíveis entraves corporais em seu natural processo de amadurecimento.”

Por isso, os casais acima dos 60 anos devem aprender como lidar com as mudanças provocadas pelo envelhecimento do corpo, assegurando o prazer e bem-estar nas relações sexuais. “As técnicas de fazer amor podem ajustar-se às necessidades de estímulo de cada um, e as relações conjugais podem ser enriquecidas com adaptações mútuas, generosas e sensíveis às mudanças do funcionamento sexual de cada parceiro.” Conforme a sexóloga, se conquistarmos tal flexibilidade, estaremos aptos a viver uma terceira idade feliz, com características de serenidade e alegria. “Consequentemente, tem se tornado evidente a existência de mais dinamismo, novos estímulos, participação social e até uma construção diferente da relação com o tempo por parte das pessoas na velhice”, destaca.

Praticar ou não?
Segundo a sexóloga Zenilce Vieira Bruno, a idade não dessexualiza o indivíduo, mas a sociedade sim. “É esta mesma sociedade que estereotipa e veicula uma sexualidade ligada à imagem de corpos jovens e saudáveis, impondo aos velhos a obrigatoriedade de apresentar uma disfunção orgásmica, de excitabilidade e de desejo.” De acordo com Carlos Augusto Araújo, cirurgião vascular e andrologista (CRM-SP 54.779), muitas pessoas acham que a terceira idade é sinônimo de quietude, aposentadoria, perda da autoconfiança e de assexualidade, embora, possa ser totalmente ao contrário. “Se estão ativos para dançar, passear e estudar, também estão para namorar. O problema é que ninguém os imagina ativos sexualmente.” Vale ressaltar que a nova geração de idosos podem encontrar recursos para prolongar e aumentar sua sexualidade, como medicamentos para disfunção erétil e próteses penianas.

Use camisinha!
Assim como em qualquer outra idade, o uso de camisinha é indispensável na terceira idade. O método é recomendado para prevenir diversas Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs), como sífilis, herpes e aids. Porém, a maioria dos idosos não está atenta aos riscos que o sexo sem proteção pode ocasionar. Segundo dados do Ministério da Saúde, de 2017, cerca de 4% a 5% da população brasileira acima de 65 anos é portadora do vírus HIV, um aumento de aproximadamente 103%. “As pessoas estão fazendo sexo sem prevenção e se contaminando com o vírus da aids e outras DSTs”, afirma Carlos Augusto Araújo, andrologista.

Segundo ele, esse quadro pode estar ligado a uma série de fatores. “Em decorrência da fragilidade do sistema imunológico dos idosos, há uma dificuldade para detectar as doenças, pois os sintomas de muitas delas podem ser confundidos com os de outras infecções.” Além disso, o homem mais velho tem mais dificuldade de aceitar o uso de preservativo. “Ele associa isso à sua juventude, quando não se usava muito a camisinha e as DSTs ainda não eram tão propagadas”, ressalta o especialista em saúde sexual masculina.

Checklist para o sexo
Confira os principais cuidados que devem ser tomados para garantir uma relação mais prazerosa e saudável na terceira idade:

• Esteja bem alimentado e, principalmente, hidratado (a);

• Pratique uma atividade física regularmente. Isto dará disposição ao corpo;

• Cuidado com o uso de medicamentos. Muitos prometem coisas maravilhosas, mas lembre-se que eles devem ser tomados apenas sob supervisão médica;

• Faça exames para saber como anda a sua saúde. Muitas vezes o desempenho sexual pode estar relacionado a algum problema de saúde;

• Mesmo na terceira idade e com parceiro fixo, não deixe de usar preservativo. A camisinha é recomendada para relações sexuais em qualquer idade.