Beleza e Saúde

4 Mitos sobre o Mercado de Luxo

1. Produtos de luxo são consumidos apenas pelos muito ricos

Essa era uma afirmação que poderia ser válida 30, 40 ou 50 anos atrás. Hoje, não mais. Pesquisa realizada pela consultoria RISC Internacional mostrou que os compradores ocasionais de produtos de luxo – grupo tipicamente formado pela classe média – representam 70% da base de clientes desse mercado nos EUA, Europa e Japão.

2. O mercado de luxo não passa por crises

O impacto da crise econômica mundial no luxo fica evidente quando se observam liquidações estendidas e descontos elevados em lojas de todas as partes do mundo, especialmente nos Estados Unidos.
3. Margens de lucro elevadas tornam secundários o controle de custos e a eficiência operacional

A pressão por custos menores, oriunda de acionistas exigentes e da concorrência com produtos mais baratos (como os do fast fashion), acendeu a luz de alerta nas empresas do luxo. Percebeu-se que a sobrevivência das companhias, no longo prazo, demandará mais do que simplesmente uma boa gestão de marca; demandará rever o jeito com que os produtos são feitos.

4. A renda do consumidor é o único fator que se deve analisar ao examinar o potencial de mercado para produtos de luxo

Ter dinheiro pode não bastar para caracterizar um potencial comprador de luxo; é fundamental haver o interesse pelo produto e pela marca. E esse interesse tem caráter comportamental; é explicado por questões sócio-culturais ou de personalidade.

FONTE:
DUBOIS, B. DUQUESNE, P. The market for luxury goods: income versus culture. European Journal of Marketing, v.27, n.1, 1993, p. 35-44.
Autor de “Precisar, não Precisa – um olhar sobre o consumo de luxo no Brasil” (ed. Lazuli/Cia. Editora Nacional). Site: www.precisarnaoprecisa.com.br. E-mail: livro@precisarnaoprecisa.com.br.