Blog do Maranhão

“Vem buscar-me que ainda sou teu!”

1501semana2017

Foi aos prantos que Leonardo Vieira, 48, leu a carta que recebeu do pai, militar e católico, na terça-feira, 10. Um dia antes, o ator viera a público falar de sua homossexualidade pela primeira vez, depois de sofrer ataques homofóbicos. “Tenho orgulho de você como filho e homem”, diziam as linhas. “Era o apoio que eu mais precisava”, conta Leonardo.

Foi com surpresa que o administrador Luis Henrique Aranha, 32, ouviu sua mãe , evangélica, oferecer a barriga para gerar os filhos que ele queria ter com o marido, Gutto Salles, 26. Mas Ana Maria Aranha, 52, insistiu. “Queria ajudá-los de qualquer forma”, explica. Hoje, é mãe-avó dos gêmeos Pedro e João, de 3 meses. “Frequentava a igreja e comentei com meu líder, mas ele não aceitou. Eu segui meu coração e senti que não estava cometendo nenhum pecado”.

Foi com três facadas no pescoço que Itaberli Lozano, 17, foi assassinado. A ele não chegaram cartas, afetos ou sinais de compreensão. A mulher que o trouxe ao mundo, uma comerciária de 32 anos, confessou o crime. Publicamente, repudiava a homossexualidade de Itaberli. “Não aguentava mais ele”, depôs, à guisa de justificativa. Com a ajuda do padrasto do moço, queimou o corpo. Dias depois, mudou o dito. Não havia assassinado a cria. Apenas “encomendara um corretivo”, a ser dado por três pessoas. Ao deixá-lo nas mãos dos algozes, ainda teria ouvido: “Mãe, eu vou morrer”, mas ignorou o apelo. Nem Medeia, a clássica personagem de Eurípedes, demonstrou tamanha frieza ao tirar a vida de seus filhos.

Émerson Maranhão
Editor de Conteúdo do Núcleo de Audiovisual

 

http://www.opovo.com.br/app/opovo/dom/2017/01/14/noticiasjornaldom,3679858/a-semana-o-que-foi-destaque-de-8-a-14-de-janeiro.shtml

 

Recomendado para você