Blog do Maranhão

Curta brasileiro sobre plurissexualidade é premiado em festival europeu

Dirigido por Luiza de Andrade, o curta-metragem À margem de nós mesmos venceu a categoria Melhor Direção LGBT do New Renaissance Film Festival. Realizada excepcionalmente em Amsterdam, a edição 2017 do festival inglês teve uma mostra  inteiramente dedicada à produção de filmes com foco na temática LGBT. Luiza ainda foi indicada ao prêmio de Melhor Cineasta Mulher.

O curta conta a história da protagonista Lívia que após o término de seu conturbado relacionamento com Virgílio, seu marido alcoólatra e viciado em jogos de azar, se envolve com Isadora. Ao longo dessa intensa jornada por autoconhecimento, Lívia se depara com novos conflitos ligados à sexualidade, seus relacionamentos e amizade, em busca de transformação. Com narrativa que passeia entre o dramático e o poético, o filme incrementa uma importante e atual discussão sobre questões de identidade de gênero e orientação sexual.

Integrante de uma nova geração de diretores de cena brasileiros, Luiza de Andrade já assinou produções para publicidade e comemora o desempenho de seu primeiro trabalho autoral. “Vencer uma importante premiação internacional é um grande incentivo profissional e traz mais visibilidade ao trabalho que venho desenvolvendo como diretora de cena. Analisando ainda o contexto atual, no qual a maioria esmagadora de profissionais neste setor são homens, posso afirmar também que é uma dupla satisfação receber este prêmio como uma diretora brasileira representante do sexo feminino”, comenta Luiza.

O roteiro do filme, escrito por Leonardo Castelo Branco, retrata com naturalidade alguns dos conflitos pessoais já vividos pela diretora e finaliza com uma poderosa mensagem de que, independentemente de gêneros, somos todos seres humanos. Para ela, o audiovisual desempenha um papel fundamental no que diz respeito à formação de opiniões da sociedade.

“Por meio dele conseguimos passar mensagens e fazer as pessoas enxergarem por outro ponto de vista, que nunca tinham pensado antes. É uma ferramenta de extremo poder e podemos através dela lutar contra diversos preconceitos. Devemos utilizá-la para levantar esses debates e para ajudar a melhorar as relações humanas, com menos julgamentos e sem preconceitos”.

Luiza de Andrade, cineasta

O curta-metragem já participou de festivais como The São Paulo Times Film Festival; Equality Festival; Cinema Grand Prix 2017 e participará do Short Film Corner Festival de Cannes e Brazil International Film Festival, ambos em maio deste ano. Além de se consagrar no New Renaissance Film Festival, À margem de nós mesmos também conquistou o prêmio de Melhor Filme LGBT no Lake View International Film Festival, e Melhor Prêmio da Audiência no 12 Months Film Festival.

Para assistir o trailer oficial:

Recomendado para você