Blog do Maranhão

Relatos assustadores da última semana (a Cena G desta sexta)

Maria é mãe solteira. Desde que nasceu mora na periferia de Fortaleza, num bairro que entende como sua cidade natal. “Não troco por nenhum outro endereço na Capital. Aqui é tranquilo como uma cidade do interior”, costuma dizer. No último domingo, passeando abraçada com a filha pré-adolescente pelas ruas do bairro, foi agredida. “Olhe que safadeza, duas sapatão agarrada no meio da rua!”, gritou a voz anônima, vinda do nada. “Essa pouca vergonha vai acabar, viu?”.

Adriano é garoto de programa e oferece seus préstimos em uma sauna gay na cidade. Corpo torneado, toalha amarrada na cintura, marcando os glúteos arredondados. Entre um cliente e outro acompanha com atenção os telejornais. Quer saber das pesquisas de intenção de voto para presidente. Vibra com a liderança do seu candidato. “Tem que botar moral nesse País, rapaz! A safadeza está demais, já passou do limite”, justifica, minutos antes de abordar o senhor sexagenário que acaba de chegar, possível próximo cliente.

Carlos é médico. Branco, de classe média alta, bem-relacionado, homossexual assumido. Além de um emprego público, atua em clínicas particulares. Neste segundo turno, vai votar nulo. Mesmo sabendo que um dos candidatos tem passado público de declarações homofóbicas, não consegue votar “na esquerda”. “Cada um sabe de seu voto. Eu sei do meu”.

Marianne é travesti e ativista. Passou o feriadão na praia, para desopilar da rotina. À noite, caprichou no decote, realçando os seios fartos. “Em tempo de repressão, a gente desconserta eles é se afirmando. Ficam doidinhos, mas não conseguem tirar os olhos dos meus peitos”, ria-se. No meio da festa, a moça desapareceu. Só surgiu 20 minutos depois. Havia sido abordada por um dos homens cis e, supostamente hétero, que estavam à beira da fogueira. “Menino, não deu foi em nada. Acredita que ele queria que eu fizesse a ativa? Aff, não aguento mais ser ativa com esses HTs!”.

Lurdes é funcionária pública. Ao longo da semana passada, teve um atrito público em uma rede social com um sobrinho dos mais queridos. Gay assumido, o rapaz está assustado com a crescente onda de manifestações homofóbicas registrada no Brasil. Ela minimiza. “A mídia aumenta muito, inventa muita coisa. Também não é assim, não!”. O sobrinho não entende que a tia não perceba o risco que ele corre se o discurso de ódio às minorias se consolidar. A tia está cansada de “tudo o que está aí” e acha que é preciso mudança. “Eles vão é acabar com a corrupção. Não vão fazer nada com ele, tenho certeza!”.

Alberto é administrador e namora Rodrigo, um estudante universitário. Desde que a onda conservadora começou a ameaçar minorias sexuais tem se preocupado com o namorado, (deliciosamente) pintoso. “Eu adoro as pintas que Rodrigo dá. Mas já pedi mais de uma vez para que ele deixe de lado as calças apertadas. E que também maneire um pouco no rebolado. Nunca pensei em passar por isso. É inacreditável! Mas é melhor tomar cuidado, as pessoas estão enlouquecidas!”, explica.

Maria, agora, evita fazer demonstrações públicas de afeto em sua filha. Adriano teve que apressar o atendimento ao tal sexagenário, porque o cliente tinha hora marcada para buscar a esposa. Carlos segue curtindo a ‘naite’ com um fiapo de esperança que dias piores não cheguem. Marianne decidiu “ser resistência às ameaças a sua existência” e mantém sua aposta no decote. Lurdes tem certeza que até o Natal o sobrinho “já vai ter passado a chateação”. Alberto e Rodrigo seguem apaixonados, mas, a contragosto, se viram forçados a, em público, passar por meros amigos.

P.S. 1 Todas as situações descritas nesta crônicas são baseadas em fatos reais. No entanto, os nomes dos personagens são fictícios.

P.S. 2 Esta é uma pequena homenagem a Robert Altman, Guillermo Arriaga e Miguel Falabella.

NOTEENHAS

HOMENS TRANS E CANDOMBLÉ

O pesquisador e ativista trans Kaio Lemos defende amanhã, dia 26, sua dissertação de graduação em Antropologia pela Unilab. O trabalho é intitulado Homens trans no Candomblé: “Você nasceu assim e seu orixá reconhecerá você assim, para sempre” e investiga o relacionamento entre esta religião afro-brasileira e as práticas e experiências dos homens trans que a frequentam.

O trabalho levanta questões como “É possível ser um homem trans e ser um babalorixá?”; “Ele será ogan (sacerdote) ou ekédi (sacerdotisa, correspondente feminino de ogan)?”; “Como se dá a participação nos rituais e na liturgia?”; e ainda “Como as lideranças religiosas têm lidado com isso?”. A pesquisa reflete também uma experiência pessoal de Kaio, que recentemente foi iniciado no Candomblé. A apresentação está marcado para as 10 horas, no auditório do Campus Auroras, primeiro andar, bloco C.

BRAVÍSSIMO!

A mais recente edição da revista Bravo! traz a diversidade como tema. No capítulo reservado para a discussão de gênero, um ensaio aponta que os artistas LGBTQ ganharam voz na sociedade através do cinema, da literatura e do teatro, mas isso não significa que “aprendemos a ver o mundo pelos olhos dos outros e que tenhamos superado a violência e o preconceito”.

O capítulo traz ainda uma entrevista com a pesquisadora e militante transgênero, Amara Moira, que fala sobre a produção literária trans no Brasil, a violência brasileira e sobre o pajubá; uma seleção de 10 peças de teatro no universo gay; uma matéria que aborda como personagens de filmes e séries tornam-se peças-chave para humanizar as questões LGBTQ; 10 obras de arte contemporâneas que tratam desta temática (inclusive uma do cearense Leonilson); e a poesia gay na interpretação de Raquel Virginia e Assucena Assucena, da banda As Bahias e a Cozinha Mineira.

Ouça essa!

“Essa história de ficar perguntando se é ativo ou passivo já era. Por que temos que ficar rotulando tanto o sexo? O lance é ter tesão e chegar ao orgasmo juntos, se realizando, fazendo o que você quiser e puder. Para mim, pelo menos, essa coisa de ativo e passivo, além de nos limitar, é algo ultrapassado”.

Andy Cohen, um dos apresentadores mais famosos da TV americana, gay proudtobe, em entrevista à revista britânica Attitude

FIMDE

AS FESTAS DESTE FINAL DE SEMANA

MAMBEMBE

AMANHÃ, SEXTA-FEIRA o Mambembe (Rua dos Tabajaras, 368, Praia de Iracema) recebe a festa Transvirada – Closes e Travessuras, a partir das 22 horas. A edição especial celebra os dois anos da festa realizada pelo Coletivo Artístico As Travestidas. No line-up de atrações, Mulher Barbada, Deydianne Piaf, Fabinho Vieira, Yasmin Shirran e Karolaynne Carton em shows, performances e discotecagens, além da terceira etapa do concurso Novos Talentos da Transvirada e de prêmio para a melhor fantasia. Ingressos: R$ 15 (meia), R$ 30 (inteira), e R$ 20 1kg de alimento (solidária)

HAUS

AMANHÃ, SEXTA-FEIRA, a boate Haus (Almirante Tamandaré, 19, no entorno do Centro Dragão do Mar) promove a festa I love Baixaria #10 – Aquecimento, a partir das 23hs. No comando das pick-ups, os DJs Jr Vasconcelos, Thi Santiago, Breno Mendes, Marcos BDR, Lia Tavares e Yasmin Sosa. Plus: Welcome Drink para os 100 primeiros pagantes + Caipifruta por R,99 a noite toda + Pistola Secret! por Din Din Bar + Blecaute com rodadas de tequila. Ingresso: R$ 15 (até 1h, com nome na lista) e R$ 25 (na hora).

LEVEL

AMANHÃ, SEXTA-FEIRA, a boate Level (Rua Dragão do Mar, 218, Praia de Iracema) promove a festa Vale Tudo, a partir das 23hs. No comando das pick-ups, os DJs Emmanuel Costta, Fabio Balack, Italo Bergman, Luiz Neto, Lourran Carneiro, PH Archibald e Sergio Klisman. Plus: rodadas de vinho, catuaba e doces. Ingresso: R$ 10 (com lista Vip até 0h) e R$ 20. No sábado, dia 27, a casa realiza a festa Ele não, funk sim, a partir das 18hs. No line-up, os DJs Emmanuel Costta, Luiz Neto, PH Archibald e Fábio Balack. Plus: cardápio com preço promocional em catuaba, vinho, vodca e Ice. Ingresso: R$ 10 (com lista Vip) e R$ 15 (sem lista Vip). No domingo, dia 28, rola mais uma edição do Domingão da Level, a partir das 22hs. No comando das pick-ups, os DJs Marcelo Fort, Amabilis Ohanna e Lourran Carneiro. No palco, shows de Adrielly Braccio, Nathalia Ganzarelly e Victorya Tithan. Plus: Cardápio e bilheteria com preço promocional. Ingresso: R$ 10.

DRAGON CLUB

NESTE SÁBADO, dia 27, o Dragon Health Club (Rua Almirante Jaceguai, 239 – Praia de Iracema, na ladeira do Centro Dragão do Mar) realiza a festa Glow in the Glam, a partir das 20hs. No line-up de atrações, performance de Carolina Taylor (Miss Gay Bahia Plus Size) + DJ Victor Sá + gogo show de Victor Ayres + apresentação do grupo The Crazy. Hostess: Tatiana Hilux. Todos os equipamentos do Club estarão funcionando normalmente a partir das 16hs. Ingresso: R$ 45 e R$ 35 (estudante, homens acima de 60 anos e pessoas com nome na lista). Acesso limitado ao bar: R$ 5. Outras info: 3219 2016.

Recomendado para você