Blog do Vozão

Depois da tempestade, a bonança.

100 8

Vagner Mancini (Foto: Cearasc.com)

Depois de um inicio de Série A não muito bom, mesmo tendo conquistado o titulo de campeão Cearense e feito uma ótima participação na Copa do Brasil, o treinador Vagner Mancini passou a ter seu trabalho à frente do Vozão questionado.

Na oportunidade, cheguei a dizer aqui mesmo no blog (veja aqui) que ainda não era hora para se falar em demissão de treinador, pois naquele momento Mancini não tinha a sua disposição todos os jogadores do elenco.

De lá para cá, seis jogos se passaram e, aos poucos, Mancini foi tendo a sua disposição os novos reforços, bem como os jogadores que se encontravam no Departamento Médico, a partir daí os resultados positivos começaram a aparecer e o rumo das coisas mudaram.

Foram 3 vitórias, 2 empates e apenas 1 derrota, marcamos 11 gols e tomamos 5 (nenhum jogando em casa), além de fazer algo que não fizemos na competição do ano, ou seja, marcar mais de dois gols em uma partida, o que aconteceu por duas vezes (3×0 no Atlético-MG e 4×0 América-MG).

Apesar do discurso de que seus times são sempre ofensivos e dizer que não gosta de usar o sistema 3-5-2, Mancini mostrou ser um treinador flexível ao optar por escalar Heleno (quer queira, quer não, atua como 3º zagueiro) junto a Michel e João Marcos, fazendo com que o time reencontrasse o seu padrão de jogo.

Outra coisa que também precisa ser destacada aqui nesse post, é o caráter de Mancini, que depois de passar pela turbulência, seguiu com um discurso firme de que não abandonaria a equipe, mesmo tendo recebido propostas de Atlético-PR, São Paulo e Internacional.

Se nos cincos primeiros jogos houve a desconfiança, é mais do que justo que neste momento batamos palmas para o Mancini, afinal, ele tem feito por merecer, mas não custa nada lembrar que ainda há um longo caminho a ser percorrido e que muita coisa ainda deverá acontecer ao longo da competição.

Recomendado para você