Bola ao Alto

Basquete Masculino: Segunda vitória com sufoco inesperado

Não era pra ter sido tão sofrido. 67 a 62, diferença de 5 pontos que não agradou muito, mas o suficiente para manter os brasileiros invictos nos Jogos Olímpicos. A Grã-Bretanha, mesmo jogando em casa, admitiu que quer mesmo é fazer o torcedor gostar de basquete, afinal é um país sem tradição na modalidade. No primeiro quarto a Seleção parecia que nem tinha entrado em quadra ainda. O time defendia bem mas demorou a calibrar o arremesso.

Reinking foi a dor de cabeça dos brasileiros, fez muitas cestas de 3 pontos ajudando o time britânico a encostar no placar e, muitas vezes, virar diante da Seleção. Marcelinho Huertas foi, sem dúvida, um dos jogadores mais regulares durante o jogo. O armador fez ótimas jogadas e conseguiu realizar, por diversas vezes, sua especialidade, infiltração seguida de cesta, assim marcou 13 pontos.

Não vi um jogo totalmente ruim. Faltou o Brasil impor o seu ritmo de jogo aos britânicos porque, repito, não era pra ter sido tão sofrido, com uma diferença no placar que oscilava o tempo inteiro. A Grã-Bretanha gostou do espaço que a Seleção deu e aproveitou.

Alex marcou muito bem, mas sumiu no ataque. E o Marcelinho Machado, não vou nem dedicar tantas linhas a ele porque o problema é antigo e único: queimar arremesso. Tiago Splitter foi o cestinha do jogo com 21 pontos, pecou nos lances livres, mas, também, esteve bem regular dentro de quadra.

Agora, a Seleção volta às quadras na próxima quinta-feira, quando enfrenta o perigoso time da Rússia. Ambas as equipes possuem dois triunfos, e disputarão a liderança. Vai ter que melhorar muito e esquecer os pequenos erros que vem cometendo se quiser, pelo menos, se manter o mais próximo do placar durante este jogo.

Recomendado para você