C4 Notícias

PRIMEIRA REPORTAGEM ESPECIAL: OS CAMINHOS DA FÉ QUE RETRATAM A VIDA DOS PEREGRINOS.

Peregrinação a Canindé

O destino era o Santuário de São Francisco das Chagas de Canindé, no Sertão do Ceará, em um trajeto de 122 quilômetros, que só seria completado na manhã seguinte. Mesmo calçados, a maioria tinha os pés cheios de bolhas – alguns já os traziam enfaixados. Como pagadores de promessa, os romeiros, visivelmente exaustos, participavam da longa caminhada em agradecimento pelas graças pedidas e alcançadas, ou simplesmente rogavam por forças para enfrentar as agruras da vida.

Ano após ano, cenas como essas se repetem de Norte a Sul do Brasil, levando milhões de pessoas a pé, a cavalo, de ônibus, carro, barco ou avião, muitas delas carregando ex votos – objeto símbolo dos desejos atendidos, que são depositados em santuários católicos espalhados pelo país e se transformam em uma espécie de comprovante de gratidão.

Pátio da Basílica ficou pequeno para a multidão

Para retratar essa devoção, o PORTAL C4 NOTÍCIAS O POVO ON LINE, a partir de hoje, começa uma série de reportagens sobre a fé, sentimento que move montanhas e que, em 2015, segundo o Ministério do Turismo, levou 17,7 milhões de pessoas a visitar atrações religiosas distribuídas em 344 municípios brasileiros. Para isso, desde o início de setembro, começamos a levantar as histórias das romarias peregrinas. Canindé é o nosso principal foco.

Por onde passam, esses devotos deixam testemunhos de fé materializados sob a forma dos ex-votos, levados às salas de milagres das igrejas, que guardam agradecimentos e pedidos. Nas paredes estão: fotos, cartas e documentos de pessoas que se consideram favorecidas pelo poder divino: no cabide, a roupa de anjo da menina que veio ao mundo depois de muita reza dos pais; na prateleira, a perna esculpida em cera de quem voltou a andar; sobre a mesa, a miniatura do barco de madeira do pescador quase náufrago em águas turbulentas… Guiada pela fé, além de agradecer pelos desejos atendidos, parte dessa multidão busca nessas trilhas de esperança a cura para males do corpo e da alma. Nesse contexto, espiritualidade, tradição e emoção à flor da pele andam juntas, evidenciando o amplo painel da cultura e do patrimônio imaterial do país de maioria católica – 70,4% da população, conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Esforço humano Quanto mais se viaja pelo Brasil, mais se vê que a fé realmente é capaz de alimentar legiões de peregrinos. Prova disso é que o turismo religioso cresce a cada dia no país. Em 2015, segundo o diretor do Departamento de Estudos e Pesquisas do Ministério do Turismo, José Francisco Salles Lopes, o número de viajantes que visitaram cidades brasileiras com tradição religiosa cresceu 12,4% em comparação ao ano anterior. Entre 2012 e 2013, o avanço já havia sido de 14%. Com igrejas centenárias e locais sagrados, um dos principais destinos religiosos do país é Canindé no Ceará. O estado se mantém como rota de expressão da fé brasileira em São Francisco, na bondade dos santos de devoção.
Somente o Santuário, onde a veneração ao padroeiro da cidade já dura mais de dois séculos, atrai 3 milhões de visitantes durante o ano.
A experiência religiosa ou de transcendência está presente em quase todas as culturas do mundo. No Brasil, 92% da população afirma ter uma religião, indica o IBGE. Mas de onde vem o ritual da peregrinação? O empenho em pagar uma promessa? A certeza do milagre? O antropólogo e teólogo Geraldo Demori explica que, embora nunca tenha sido identificado um ponto para romaria dos cristãos, já que a fé está em todo tempo e lugar, a peregrinação a locais santos existe desde a idade antiga, mas ganhou grande impulso na fé cristã a partir do século 5, quando se acentuaram a construção e a visitação a templos sagrados.

Ex- governador Cid Gomes em peregrinação a Canindé

O catolicismo, diz Demori, já desembarcou no Brasil trazendo na bagagem o rito das peregrinações, da penitência – que pode ser traduzida no esforço humano –, das promessas e do milagre. “A peregrinação está ligada à vida, que é um caminho. Os peregrinos vão para agradecer ou levar um pedido”, diz. Segundo o antropólogo, a penitência está ligada ao empenho de se redimir por algo ou para alcançar uma graça. É um esforço para vencer um desafio “com a graça de Deus”.

AMANHÃ VOCÊ ACOMPANHA: ROMEIROS CHEGAM A CANINDÉ PARA PAGAR DÍVIDA AO SANTO.

REPORTAGEM: FOTOS E TEXTO DE ANTONIO CARLOS ALVES