Clube da Luta

Entrevista: José Maria Sem Chance sonha em lutar contra gringo em Fortaleza

José Maria Sem Chance está pronto para alcançar sua primeira vitória no UFC. Foto: Divulgação/Team Nogueira.

José Maria Sem Chance está pronto para alcançar sua primeira vitória no UFC. Foto: Reprodução/Team Nogueira.

Ele continua Ultimate Fighting Championship (UFC)! O cearense José Maria Tomé, mais conhecido como “Sem Chance”, ainda terá mais uma oportunidade de alcançar a primeira vitória no maior evento de artes marciais mistas (MMA). Após duas derrotas seguidas no Ultimate e boatos de que estaria fora da organização, o cearense de Alto Santo resolveu dar uma repaginada na carreira: trocou de equipe, mudou de empresário e está mais próximo da família e de seus ídolos no esporte. O Blog Clube da Luta conversou com exclusividade com o peso-mosca (até 57 kg) do UFC. Confira abaixo a entrevista completa:

Blog Clube da Luta: explica o que realmente ocorreu sobre os boatos de que você estaria fora do UFC.

Sem Chance: na verdade surgiu uma matéria de um site que ninguém conhecia. O site era da Bahia, mas ninguém descobriu quem foi que fez a matéria. A notícia dizia que eu teria sido demitido e que já iria lutar no Nitrix 19, faltando 15 dias para a luta e não estava sabendo de nada.

Quando ouvi essa notícia, liguei para o meu antigo empresário, o Marcelo Brigadeiro, e ele falou que não estava sabendo de nada, que isso era boato e mentira. Mas, os pequenos sites continuaram colocando essa história, e eu não tinha assinado rescisão nenhuma. Meu perfil continua no UFC e tudo isso não passou de um boato. Estou com nova equipe e um novo manager, o Alex Davis.

BCDL: como ficou a relação com seu antigo empresário, o Marcelo Brigadeiro, já que ele chegou a confirmar sua saída do UFC?

SC: ele deu uma entrevista para um site americano, falando que eu tinha que rever minha carreira e que tinha sido demitido. Mas, em momento algum a gente assinou uma rescisão em relação ao UFC. Meu perfil continua atualizado no UFC. Minhas duas lutas no UFC foram boas. Conheço atletas que acumulam cinco derrotas consecutivas. O UFC gosta de show, e eu sempre tive um nível dos tops da categoria. Quando lutei com Dustin Ortiz estava com overtraining. Estava muito dedicado, treinei demais e o atropelei no primeiro e segundo round, mas aconteceu o acidente no final do round.

BCDL: na sua segunda luta no UFC, contra o Dustin Ortiz, deu para perceber que você cansou. Na Team Nogueira, você vai priorizar o condicionamento físico?

Eu tenho 40 lutas e não tinha perdido para ninguém por cansaço. Cansei apenas contra Dustin Ortiz, mas hoje tenho preparador físico. Na época, mesmo estando no UFC, não tinha preparador físico. Hoje faço uma preparação completa na Team Nogueira. Na época da luta contra o Ortiz, o overtraining ocorreu pela falta de um preparador físico para me orientar, porque eu treinei demais e não descansava.

BCDL: o que a Team Nogueira vai te proporcionar em nível de treinos?

SC: o atleta sempre tem que buscar o melhor e a Team Nogueira tem o jogo que eu preciso para evoluir, com excelente wrestling e boxe de qualidade.

BCDL: a Team Nogueira possui sede em Fortaleza. Isso influenciou em sua decisão de mudar de equipe?

SC: uma das coisas que me fez vir para Team Nogueira, não foi só pela possibilidade de treinar no Ceará. A equipe tem franquias no mundo inteiro, em Dubhai, nos Estados Unidos, e tudo isso vai ser importante pra mim. Posso fazer camping lá fora. Se eu estiver em off e quiser treinar, posso vir para o Ceará, na Team Nogueira Fortaleza. Posso treinar aqui e depois fazer meu camping lá no Rio de Janeiro. É interessante está na minha terra para treinar. Isso é muito importante.

BCDL: como foi o encontro com seus ídolos, os irmãos Nogueira e Anderson Silva, na Team Nogueira?

SC: eles sempre foram meus ídolos desde a época do PRIDE. Comecei a treinar me inspirando neles. O Anderson Silva treinando, eu sóm fico olhando, é uma aula. Você assistir ao sparring do Minotauro com o Minotouro, é outra aula. Então, é um prazer e isso só vai me motivar ainda mais. Nas minhas próximas lutas, vocês vão ver outro nível do Sem Chance que nunca viram.

BCDL: quando você luta de novo?

SC: o Alex Davis (novo empresário) está vendo isso e trabalhando essa questão. Em breve vai aparecer essa luta. A categoria está bem mais movimentada, com mais atletas. Com as duas derrotas, fui para o final da fila, mas esse combate vai sair em breve. Estou doido para lutar e estarei preparado.

BCDL: quem você gostaria de enfrentar?

SC: eu acredito que qualquer gringo que vier, será ótimo. Eu quero lutar com gringo, principalmente no Brasil, quem sabe até em Fortaleza. A cidade fez um excelente evento e UFC gostou muito. Se tiver um novo UFC aqui, devo estar cotado para entrar no card. Pode ser qualquer gringo, gosto muito de lutar contra eles.

BCDL: você tem o sonho de lutar em Fortaleza?

SC: eu estive aqui no primeiro UFC Fortaleza e me imaginei realizando esse sonho de lutar em casa, observando o Rony Jason e Pepey. É o sonho de qualquer atleta, ainda mais enfrentando um gringo.

BCDL: o que faltou para vencer o John Lineker em sua estreia pelo UFC?

SC: faltou treinar mais boxe. Tive apenas 15 dias para treinar e vinha de lesão. Ainda tinha que trabalhar (José Maria trabalhava como garçom) e treinar, algo que acumula muitas lesões. O Lineker ficou 1,5 kg acima da categoria e estava mais forte. A minha mão entrou, e não só uma, entrou um rodado, entrou mais um cruzadinho e um overtraining. Mas ele é duro, não é só a mão dele que é dura, o Lineker absorve muita porrada. Ele dá a cara para bater, para poder conectar seus golpes. Faltou eu ter chegado antes no lance, eu quase nocauteei e não acreditei que estava tonto. Quando cheguei para conferir, já era tarde. Também faltou mais calma. Estrear no UFC não é fácil, você fica muito ansioso. Eu poderia ter finalizado de guilhotina, mas ele também foi muito esperto.

BCDL: você pensa em conquistar a primeira vitória no UFC e ser recebido com festa em Alto Santo?

SC: cara, não só em Alto Santo, como em todo o Ceará. Eu chegando em Alto Santo já sou recebido bem. É o sonho de todo atleta chegar a sua cidade e ser reconhecido. Já sou bem reconhecido em minha cidade, mas tenho esse sonho de ter essa vitória no UFC e desfilar em um caminhão do Corpo de Bombeiros em Alto Santo, aquela festa.

Recomendado para você