Clube da Luta

Da Barra do Ceará para o mundo: conheça o cearense campeão Mundial de jiu-jitsu na Califórnia

176 8
Yan Lucas Pica-Pau comemora título | Foto: reprodução/Facebook

Yan Lucas Pica-Pau comemora título | Foto: reprodução/Facebook

Da periferia da Barra do Ceará, um garoto chamado Yan Lucas Paiva desenha uma carreira promissora no jiu-jitsu e, aos 19 anos, já ostenta no peito a medalha de ouro do Mundial da IBJJF, um dos maiores torneios da modalidade. Conhecido como Pica-Pau, o jovem faixa marrom superou dificuldades financeiras, a frustração das derrotas em duas seletivas para o Word Pro Abu Dhabi e, com bastante suor, o neto da dona Josefa se tornou campeão do Mundo na Califórnia, no último sábado, 30.

+ Yan Lucas Pica-Pau é campeão Mundial de jiu-jítsu em torneio nos EUA

Criado pelo padrasto e pela mãe, Yan precisou superar a distância do pai de coração, quando o garoto entrava na fase da adolescência. Capoeirista, o padrasto do jovem, José Heveraldo, conhecido como Papa-Léguas, foi morar e ensinar a técnica brasileira nos Estados Unidos. Naquela época, Lucas já havia ingressado na arte suave, como conta o mentor do atleta, Pirillo Roriz, líder da Gracie Barra Pirillo Roriz Team.

“Ele começou a treinar em janeiro de 2007. O padrasto dele era meu conhecido, capoeirista, e treinava jiu-jitsu em outra equipe. A gente treinou juntos. O Papa-Léguas conhecia o meu trabalho como professor de jiu-jitsu, no qual sempre direcionei meus alunos para competição. O Yan chegou aqui com 11 anos. O padrasto dele disse: ‘Pirillo, treine o Yan porque gosto do jeito que você dá a aula. Ela é voltada para competição, quero isso para o meu filho”, explicou.

O pai de coração de Yan foi para os Estados Unidos, mas sempre manteve o contato com filho e mandava o dinheiro da mensalidade do garoto para continuar treinando o jiu-jitsu. Yan passou a viver com a avó Josefa e a tia Karol, enquanto a mãe vive atualmente em Horizonte. O mestre do jovem Pica-Pau, Pirllo Roriz, conta que a luta já estava no ‘sangue’ do pupilo. “Eu ensinei ele a amarrar a faixa, desde então, participa de todas as competições”, afirma o faixa preta.

Yan e Papa-Léguas | Foto: reprodução

Yan e Papa-Léguas | Foto: reprodução

Frustrações em seletivas
Antes de brilhar em solo americano, o cearense da Barra tentou participar de outro grande torneio de jiu-jitsu. O atleta viajou para Natal (RN) e Gramado (RS), em abril, onde competiu as seletivas do Word Pro Abu Dhabi, nos Emirados Árabes. Nestas etapas de seleção, o lutador que vencer o absoluto ganha um “free pass” (vaga no torneio e participação bancada pela organização).

Primeiro, Yan Lucas lutou em Natal e venceu em sua categoria (peso pena faixa marrom adulto), mas foi vice no absoluto. O cearense chocou a cabeça com o adversário na final e abriu um corte profundo, obrigando o juiz a interromper o combate. Depois, ele seguiu para Gramado em nova tentativa. O roteiro se repetiu e Pica-Pau terminou em segundo. Apesar da frustração, o jovem da periferia da Barra do Ceará não se abalou e se esforçou ainda mais para brilhar no Mundial, na Califórnia. “Depois disso, ele ficou treinando intensamente para o Mundial. Fazia funcional, passava o dia no jiu-jitsu. Era dedicação 24h aos treinos. O Yan é um garoto disciplinado que tem objetivos, corre atrás. Ele é fruto de um trabalho feito há anos”, comentou Pirillo.

Dificuldades
Desde criança, Yan Lucas soube lidar com as dificuldades. Mesmo sem patrocínio, o promissor atleta conseguiu bancar o custo da viagem com a ajuda dos amigos. Os problemas tardaram a ida do faixa marrom para competições internacionais. “Ele mora com a avó. O pai dele se separou da mãe dele quando o Yan era novinho. É um garoto humilde. A falta de dinheiro, patrocínio, atrapalha a carreira do atleta, mas ele tem potencial enorme. Por isso, só agora conseguiu participar na Califórnia”, resume Roriz.

Yan no lugar mais alto do pódio | Foto: reprodução

Yan no lugar mais alto do pódio | Foto: reprodução

Como o pai de criação já morava na Califórnia, o desafio era arrecadar dinheiro para a viagem e a inscrição no Mundial. Os apoios de algumas marcas que Yan veste não foram suficientes para bancar o custo. “Ele teve muita dificuldade, não teve patrocínio. Tem alguns apoios, arranja uma grana aqui, outra ali, estampa a marca no kimono, veste a marca. Os gastos com academia, suplemento, treinamento, viagem e hospedagem são altos, muito acima do que o apoio pode oferecer. Junta os apoios, junta uma galera, instrutores, até alunos ajudaram. Cada um ajudou do seu jeito para esse sonho ser realizado. A conquista de um é de todos. Na hora da dificuldade, a galera se une para dar certo. A sorte dele é que o pai mora lá. O suporte de pessoas vale mais do que dinheiro”, explicou o mestre de Yan.

‘Fruto de muito trabalho’
Pirillo Roriz teve papel fundamental no crescimento de Yan como atleta e cidadão. O mestre lapidou o jovem e o colocou na rota dos títulos. Em todas as faixas, Pica-Pau colecionou campeonatos e se destacou. Apesar das vitórias, Lucas foi cobrado pela família. O faixa marrom precisou de uma ajudinha do mentor para continuar nos tatames.

“Teve uma época que a família cobrou ele. ‘Yan chegou a hora de trabalhar, só campeonato não dá dinheiro’. Eu ajudei ele e abri um horário para o Yan dar aula como instrutor de jiu-jitsu. O resto do dia era dedicado aos treinos”, disse Pirillo.

Com rotina de treinos e dedicação, Yan tem uma vida regrada, segundo o mestre dele. A religião manteve o atleta longe das distrações e o ajudou a focar ainda mais no jiu-jitsu. “Como digo, o Yan não chegou com uma estrela na cara. Foi fruto de muito trabalho. Ele não tinha problemas com nada, drogas, nem bebidas. Ele é religioso. Esse direcionamento religioso afasta ele do que o mundo oferece de ruim. As amizades dele são com os alunos da academia, o pessoal do mundo da luta”, afirmou o mestre.

Mundial
Na Califórnia, Yan foi o melhor peso pena faixa marrom, entre 49 atletas que participaram do torneio na mesma categoria do cearense. Pica-Pau brilhou no tatame e venceu seis adversários para trazer a medalha no peito. Na final, ele superou Isaac Doerdelein, por 2 x 0.

Recomendado para você