Cotidiano e Fé

Mulher: vítima, sobrevivente, vencedora

Nossa sociedade pós moderna, plena de avanços científicos, tecnológicos e sociais continua assistindo a mulher protagonizando papéis paradoxais.

Um dos papéis mais vividos pela mulher é o de vítima. Seja ela rica ou pobre, culta ou analfabeta, cidadã do país mais desenvolvido ou do mais atrasado economicamente, seja ela partícipe de sociedade norteada por valores liberais e igualitários, ou por valores rígidos e discriminatórios, a mulher ainda é desvalorizada, humilhada, desrespeitada, mal tratada, agredida, prostituída, explorada, escravizada, violada, assassinada. A violência contra a mulher faz parte do nosso cotidiano, é coisa corriqueira, amplamente divulgada na mídia.

Porém, esta mulher vítima não se entrega, luta, batalha, dá a volta por cima, vira o jogo, levanta bandeiras, aprova leis de defesa e proteção e torna-se uma sobrevivente. E segue em frente, trabalhando, estudando, criando os filhos, responsabilizando-se pelo sustento de sua casa. Ela é pedreira, gari, motorista de ônibus, médica, policial, juíza, e também, é mãe, esposa, filha, profissional, amiga.

E se esta mulher sobrevivente levantar seus olhos e reconhecer que não está abandonada à sua própria sorte, que há um Deus Criador que com ela se importa e que a ama incondicionalmente, ela se torna uma vencedora.

“Mas, em todas estas coisas somos mais que vencedores, por meio dAquele que nos amou.” Romanos 8:37