No seu lugar, que faria Jesus?


 Quando falamos em cristianismo, boa parte das pessoas pensa simplesmente em mais uma religião. Um Deus (trino), um livro sagrado, um conjunto de ritos, princípios e valores a serem seguidos (apesar das diversificações entre os segmentos cristãos); tudo isso parece compor o cenário de mais um meio encontrado pelo homem para conhecer a divindade.
Mas será que o cristianismo é assim tão “engomadinho”? Tipo fórmula pronta?
Bem, existem algumas diferenças sim, salutares, por sinal.
O cristianismo centra-se na obra, palavra e pessoa de Jesus Cristo. Ele é o próprio Deus, criador dos céus e da terra, encarnado, que veio cumprir uma missão: chamar pecadores ao arrependimento e à salvação.
Mas não é só: os cristãos chamam Jesus de Mestre, ou Messias – aquele que havia de vir, segundo as promessas antigas. Um discípulo de Jesus, portanto, tem como alvo de vida ser como o seu Mestre, andar como ele andou, falar como ele falou e viver como ele viveu, ao ponto de não ser mais ele próprio que viva, mas Cristo viva nele (Gálatas 2:20)
“Não acredito! Ser cristão é ser então um… imitador!?”
Isso mesmo!
Um imitador apaixonado por Jesus.
O cristão autêntico pergunta-se todos os dias, diante de suas escolhas: Em meu lugar, o que faria Jesus? Ele gastaria toda a noite assistindo televisão ou acessando a internet, ou ele gastaria tempo conversando com a esposa e com os filhos? Ele comeria esse hamburger oleoso e gorduroso, ou aquela salada de frutas saudável? Ele estaria preocupado em ganhar mais dinheiro, ficar rico e viver confortavelmente, ou em ajudar as pessoas com aquilo que já possui, administrando bem os seus recursos?
(…)
E aí as hipóteses são infindáveis!
A questão é que viver nessa autorreflexão tem um pressuposto e uma consequência. Esta última pode ser o ponto chave do qual depende toda a nossa eternidade!
O pressuposto é que o cristão conheça o seu Mestre!
Como vou imitar o que não conheço?! Sua história e ensinamentos estão registrados especialmente nos evangelhos bíblicos (que, aliás, toda pessoa que se diz cristã deveria ao menos tê-los lido), mas Ele também pode se revelar de inúmeras formas, contanto que o busquemos de todo o coração (Jeremias 29:13)
A consequência é fantástica e assustadora!
 Perguntar todos os dias “Em meu lugar, que faria Jesus” nos leva a um encontro frontal com a verdade sobre nós mesmos, e sobre a santidade de Deus. Percebemos como somos inclinados ao pecado e ao erro, o quanto podemos ser egoístas, orgulhosos, mentirosos e acomodados…
Temos duas opções: ou seguimos na marcha do arrependimento e da obediência, seja quais forem as consequências e implicações pessoais em nossas vidas, ou podemos nos obstinar em fazer a nossa vontade. Nesse último caso, incorreremos no erro de aparentar uma vida cristã, mas não viver a essência do cristianimos.
 “Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor, Senhor’, entrará no Reino dos céus, mas apenas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus” Mateus 7:21
Temos escolha.
Sabemos as consequências.

Precisamos, então, decidir hoje.

Por Fernanda Bezerra  (membro da IBC, advogada recém formada e que luta por seus ideais, principalmente, pela expansão do Reino de Deus).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *