Cotidiano e Fé

Tio, Deus existe? Onde Ele está que não olha pra nós?

No último mês, fui questionado sobre um pedido um tanto quanto intrigante que me deixou despedaçado.

No dia 24 de dezembro de 2017, pude coordenar, pela quarta vez, uma ceia que acontece no centro da cidade em Fortaleza, no Ceará e, ali, pudemos assistir e passar o nosso Natal com mais de mil pessoas, dentre elas, pessoas que se encontram em situação de rua. O nosso Natal foi com eles.

Ao término, conseguimos tirar algumas pessoas das ruas e levá-las para casas de recuperação, porém a realidade é que a grande maioria permaneceu naquele lugar, e lá
era onde eles iriam dormir. Foi então que um adolescente de 12 anos, chamado João (nome fictício) me parou na rua e me questionou sobre a possibilidade de atendermos sua necessidade.
– Tio, o senhor consegue um lençol para mim? Eu queria, só hoje na noite do Natal, não dormir no frio mais uma vez.

Isso me deixou então despedaçado. Essa era a necessidade dele! Era o que ele achava que precisava!
Conseguimos o lençol e doamos para ele.
Era a maior necessidade dele naquele momento e creio que de muitos outros.

Ao conversar com uma amiga, ela compartilhou, com lágrimas nos olhos, a narrativa de quando foi questionada por uma criança que estava na rua: – Tia, se Deus existe, onde ele está em períodos de chuva? Por que ele permite passarmos por esse frio? Enquanto a chuva em nossas casas traz alegria e vontade de dormir e até para quem mora no sertão é vista como um tempo bom, para quem está na rua a chuva significa uma coisa: frio, muito frio!

Talvez você, leitor, assim como eu, tem a tendência de indignar-se com os gestores governamentais e com muito do que vivemos como sociedade. Certo, eu entendo e imagino o que deve estar sentindo.

Saio de situações como essas indignado e com vontade de fazer muito mais. Chego a falar com Deus e me perguntar: Por que isso, Deus? Por que alguns com muito e outros
com nada? O Senhor realmente está olhando para a vida dessas pessoas? Chego a falar para Deus: O Senhor precisa falar comigo, caso contrário não sei como continuar. E Ele me responde. Como me responde? Através da Bíblia! Vejam o que está escrito no livro de Deuteronômio, capítulo15, versículo 11: “Sempre haverá pobres na terra. Portanto, eu ordeno a você que abra o coração para o seu irmão israelita, tanto para o pobre como para o necessitado de sua terra.”

Mas, você pode argumentar: – Fellipe, isso foi escrito há muitos anos!!!

A realidade é a mesma e, para mim, isso continua e serve como resposta.

Começo a entender que Deus tem olhado para essas pessoas, sim. Tanto é que Ele tem movimentado muitas pessoas para que sejam agentes da manifestação de sua compaixão
pela vida de cada um. Quando olhamos para quem está do lado, vemos o quanto isso nos faz voltar a essência da criação.

A compaixão de Deus tem sido expressada todos os dias através das pessoas. Creio que Deus não vai descer do céu para alimentar o faminto, abrigar o desabrigado ou cobrir o
que sente frio. Ele fará isso através de nós, quando o fizermos.

No mais, Deus já tem coberto nossas vidas com a sua misericórdia e graça. Eis o que diz a letra dessa canção do grupo Leeland:

“ Your glory is a blanket that covers, Every living thing” (Tua glória é um cobertor que cobre cada coisa viva).

Sim, Deus existe!!! Nós somos a forma de Ele agir nessa Terra e olhar por essas pessoas. Mesmo sendo nós limitados, Ele age em nós, por nós e através de nós.

Essas afirmações de Jesus continuam atuais:
“Digo-lhes a verdade: Aquele que crê em mim fará também as obras que tenho realizado. Fará coisas ainda maiores do que estas, porque eu estou indo para o Pai. E eu farei o que vocês pedirem em meu nome, para que o Pai seja glorificado no Filho. O que vocês pedirem em meu nome, eu farei. Se vocês me amam, obedecerão aos meus mandamentos.”
João 14:12-15

Quando pensar na necessidade sua e dos outros, lembre-se que mais do que a necessidade física, o que tem faltado no coração das pessoas é a esperança, é Jesus.

A minha esperança está na pessoa de Jesus, no cumprimento de sua palavra que diz que haverá o dia em que não terá mais fome ou sede. Até lá, continuamos fazendo nossa
parte como agentes de transformação, aliviando e vivendo aqui razoavelmente feliz, pois seremos supremamente felizes apenas ao lado de Jesus, na eternidade.