Discografia

O sambão envenenado do Curumin

Cantor, compositor, baterista e mais uma porção de coisas, Curumin é a atração de hoje na IV Mostra BNB da Canção Brasileira Independente, às 17h, no Centro Cultural BNB de Fortaleza. Batizado oficialmente de Luciano Nakata Albuquerque, Curumin é paulista, nasceu em 28 de julho de 1976 e já guarda dois discos na bagagem: Achados e Perdidos (2005) e JapanPopShow (2008). De quebra, ele ainda faz parte do grupo Guizado, onde toca bateria ao lado de Régis Damasceno e Ryan Batista, guitarrista e baixista da banda cearense Cidadão Instigado. Sua bateria também está na turnê Iê Iê Iê de Arnaldo Antunes. Como uma das atrações mais esperadas da Mostra em 2010, Curumin trocou uma ideia com o Discografia falando sobre música independente, carreira e mais uma porção de coisas. Acompanhe.

DISCOGRAFIA – Como será o show aqui de Fortaleza?

Curumin – Cara, a gente nunca tocou em Fortaleza. Acho que vai ser importante fazer um apanhado legal dos dois discos. Mas num dá muito pra dizer como vai ser. Dependendo do clima na hora, as coisas podem mudar.

DISCOGRAFIA – Você já esteve em Fortaleza acompanhando Arnaldo Antunes e o Guizado, mas esta é a primeira vez com o show solo. Qual a expectativa?

Curumin – A expectativa é a melhor possível. Conheço Fortaleza, tenho bons amigos e sempre recebo mensagens da galera cobrando da gente tocar aí. O show do Guizado eu não pude ir. Fiz só dois shows na cidade com o Arnaldo e os dois foram especiais: público receptivo e na sintonia certa prum bom show. Fazia tempo já que eu queria chegar pra Fortaleza.

DISCOGRAFIA – O que vai entrar no repertório e quem lhe acompanha aqui?

Curumin – Vamos chegar com o The Aipins, que é a banda q me acompanha sempre. É Loco Sosa tocando eletrônicos, batucada e bateria; Zé Nigro tocando baixo e eu na bateria, voz e guitarra. No repertório, como eu disse, pode mudar um pouco pra lá, pra cá, mas devemos tocar com certeza Magrela Fever, Sambajapa, Caixa Preta, Mal Estar Card, entre outras.

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=HlKbRgL6INQ[/youtube]

DISCOGRAFIA – Você costuma incluir versões alheias em seu show, de Madonna e Stevie Wonder. Isso vai rolar aqui? O que deve entrar? Como você seleciona o repertório?

Curumin – Gostamos de fazer versões de canções clássicas e nisso às vezes entra um Roy Aiers (Everybody loves the sunshine), ou MC Batata (Feira de Acari), ou originais do samba (Subida do morro). Mas isso fica mesmo pro momento. Não sei direito o que vai entrar. Vou deixar pra pouco antes do show. Mas mesmo assim com margem pra poder na hora fazer alguma coisa que venha na idéia. Se rola aquela loucura, às vezes a gente faz música q nunca tocou antes. Vamo vê.

DISCOGRAFIA – Você vai estar numa mostra que vai reunir uma turma de artistas difícil de ver na TV ou até mesmo no rádio. O que você achou deste projeto do BNB? São muitas as iniciativas como essa pelo Brasil?

Curumin – Acho muito boa a diversidade. Acho importante ter um pedaço da galera tentando fazer um som diferente, buscando outras referências, experimentando, incomodando. Pra isso virar, precisa de apoio, lugar pra tocar, público pra escutar, estrutura de auditório, som, luz, passagens de avião. Nesse sentido, as iniciativas de apoio têm sido fundamentais. Até pouco tempo, era muito mais difícil de eu conseguir chegar a fortaleza, por exemplo.

DISCOGRAFIA – Como tem sido a resposta do público ao seu trabalho?

Curumin – Putz, eu tenho achado massa. Desde criança eu gosto de música, queria trabalhar com isso, mas sempre tive a noção que poderia não dar certo, que é muito difícil conseguir seu espaço, que é difícil chegar às pessoas. O alcance é pequeno, mas muito satisfatório. Porque eu faço o que sei e amo o que faço.

DISCOGRAFIA – Você já declarou que o som que você faz é samba. Como é esse seu samba? Ele vem misturado com o que?

Curumin – Hehe… Tô aqui em Maceió e tava almoçando com o Wado. Estávamos justamente conversando sobre isso. Cara, eu, na real, não consigo me sentir pertencendo a nenhuma tradição. Já falei que o meu som era samba mais pras pessoas terem alguma referencia do que é o som. Imagina! Não consigo me achar um sambista nunca… Mas é uma pergunta que eu sempre me embanano pra responder. Que tipo de música você faz? Eu não sei explicar… Eu gosto de ouvir balanço, samba, soul, reggae e acho que tudo isso em algum ponto se encontra.

DISCOGRAFIA – Um dos assuntos mais recorrentes na sua carreira é a atenção que você ganhou da atriz Natalie Portman. Por outro lado, um crítico americano comentou que o fato da Ivete Sangalo cantar em português dificulta uma carreira internacional. Isso é uma forma de preconceito? Rola preconceito por parte dos estrangeiros com os artistas brasileiros? Isso é generalizado?

Curumin – Hum… Putz, não acho q role um preconceito. Mas, de fato, eu cresci ouvindo música americana, sem entender a mensagem, e podendo gostar mesmo assim. Num sei se isso tem haver com preconceito, mas sem duvida tem a ver com estar aberto pra receber, pra gostar, pra se tocar com aquilo. Eu num acho que o crítico americano esteja errado não. Se tem uma língua que se aproxima de ser universal é o inglês. Em vários lugares do mundo as pessoas falam inglês. Todas as bandas do mundo que pensam em carreira internacional, cantam em inglês. É um jeito de você passar sua mensagem pro mundo. Mas também acho bobagem você fazer uma música em português e transcreve-la pro inglês. Acho que só é válido se você realmente compõe direto na língua. Se aquilo parte de dentro de você.

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=wLjRSQ-alWg[/youtube]

DIsCOGRAFIA – Queria que você falasse como anda sua carreira, o que tem feito. Tem planos para um novo disco?

Curumin – Cara, esses anos me dediquei bastante pra divulgar o (disco) JapanPopShow. Depois vieram outros trabalhos, o Arnaldo Antunes, o Guizado, gravações. Agora sim está acalmando e eu estou começando a sair à caça de coisas novas. E isso é um processo que tem seu tempo. Não adianta querer acelerar ou desacelerar. Mas eu to na caça.

DISCOGRAFIA – Você já deve ter respondido isso mil vezes, mas de onde veio o nome Curumin?

Curumin – Vem de criança, de escola. Acho que era quinta série e eu estava entrando numa escola nova. E tinha aquilo, cara de criança, moreno, olho um pouco puxado, cabelinho cuia. Tava um dia jogando bola e um muleque gritou “passa a bola curumin”. Quando eu percebi, todo mundo me chamava assim. Pegou.