Discografia

Extravagância coerente

A primeira coisa que me veio à cabeça ao ouvir o novo disco de Silvia Machete foi que eu estava diante de alguém inteligente. Extravaganza (Coqueiro Verde) foi lançado há pouco tempo e traz na capa uma imagem com um par de pernas cobertas por uma floresta. Curioso num primeiro momento e coerente com o título. Aliás, chamar atenção pela extravagância é com ela mesma. Vide seus clipes e os shows onde ela chega a rodar bambolê no palco. Enfim, a tal inteligência parte dessa ideia de combinar o exotismo com um repertório primoroso que já se mostra desde seu primeiro trabalho, Bomb of love, de 2006. Ou seja, Silvia Machete não é artista para fãs preguiçosos, é preciso mergulhar fundo em referências, curiosidades e ideias. Como se já não bastasse ela ser boa compositora e se arrodear de pessoas do quilate de Erasmo Carlos e Rubinho Jacobina, Silvia ainda canta com uma afinação sedutora. Inteligente também ao cavar fundo o poço da MPB pra retirar algumas pérolas que andavam bem escondidas. Em Extravaganza, me refiro a Manjar de reis, uma das melhores faixas de Eu não peço desculpas, bom disco de Caetano Veloso e Jorge Mautner lançado em 2002. Ou em Noite torta do sempre necessário Itamar Assumpção (1949 – 2003) que escreve “sozinha nesta cozinha, em pé eu tomo café, na pia a louça suja me lembra da roupa suja no tanque que a vida é”. O mestre Erasmo Carlos, outro sempre necessário, faz parceria com Silvia em Feminino frágil e repete sua contribuição à cantora que já havia lhe regravado a hippie Gente aberta em Bomb of love. Com latinidad, Silvia encarna sua Célia Cruz em Tropical extravaganza, de Fabiano Krieger, e versa para o português Como la cigarra, de Maria Elena Walsh famosa na voz de Mercedes Sosa . O hino à liberdade vira A cigarra. Pra quem já anunciou que “Toda bêbada canta”, agora, em Fim de festa, também de Krieger, ela volta ao tema boemia e explica pra que serve a música. No quesito curiosidades, há ainda Underneath the mango tree, de Monty Norman, tema do James Bond em 1962, e a erótica O baixo, emoldurada apenas pela bateria de Domenico Lancellotti e pelo baixo acústico de Alberto Continentino. Esta última ainda pode ser ouvida em sequência com 2 hot 2 b romantic, que fala do mesmo assunto, mas em outo tom. Mas curiosidade é algo que não falta na curta carreira desta carioca de 34 anos que já gravou, Guns’n’Roses, Cindy Lauper e Beatles, e ainda é cantora, compositora, malabarista e trapezista. E, repito, tudo com coerência e inteligência.

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=AJMOesY-IJA[/youtube]

>> Discografia:

(2006) Bomb of love

(2008) Eu não sou nenhuma santa (Em Cd e DVD ao vivo)

(2010) Extravaganza

Para mais: http://www.silviamachete.com/ ou http://www.myspace.com/silviamachete