Discografia

Unindo forças

]Um dos momentos mais esperados de 2011 para os fãs de música é o lançamento do primeiro álbum do Superheavy. A megabanda junta a soul music de Joss Stone, com o rock de Mick Jagger e o raggae de Damien Marley. Completando o time, Dave Stewart, guitarrista de Eurithmics, e A.R. Rahman, compositor indiano responsável pela trilha de Quem quer ser um milionário. Já com o primeiro single tocando na internet (Miracle Worker), a constelação de músicos deve chegar às prateleiras no próximo 19 de setembro.

No Brasil, a onda dos supergrupos não é tão popular, mas também vem trazendo seus frutos, como o Almaz e o Del Rey. Agora chegou a vez dos Sonantes. O grupo formado pelos paulistas Céu, Gui Amabis (cantor, músico e produtor), Rica Amabis (do Instituto) e os recifenses Dengue e Pupillo (respectivamente baixo e bateria da Nação Zumbi) estreou em 2008 com um disco lançado somente nos EUA e Europa. A mistura de percussão com sons eletrônicos chegou agora ao Brasil, depois de três anos, pelo selo Oi Música.

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=kUPSGVkg4q0[/youtube]

Morando em Perdizes, bairro nobre paulista, o quinteto foi aprontando as gravações aos poucos. “Eu dividia com o Pupillo e o Dengue um apartamento que tinha um estúdio. A Céu e o Gui (que são casados) moravam ao lado.  E a gente  ficava trocando um som e, quando vi, já tinha 10 músicas. Aí é que pensamos em lançar (um disco)”, lembra Rica Amabis por telefone. Como o quinteto não tem planos para um novo encontro ou de montar um show, nenhuma gravadora brasileira se interessou no começo.

A mistura de influências e linguagens deu origem a um som universal, meio futurista, que parte da psicodelia, passa pelo frevo e chega ao carimbó. Miopia é uma espécie de samba-canção mais arrastado. Mambobit é um número instrumental com um pé nos anos 50 que antecede Looks like to kill, que parece ter sido tirada de um filme de faroeste. Este última ainda conta com a guitarra virtuosa de Fernando Catatau.

Além do cearense Catatau, outros (muitos) convidados passeiam pelas 10 faixas do disco, como Siba, Lúcio Maia e Gustavo da Lua. Já B Negão entrou  para esta lista por acaso. A história foi assim. Convidado para fazer um show em São Paulo, Negão pediu ao amigo Rica que o abrigasse por uma noite. No dia seguinte, ao acordar, ele foi ao computador, gravou uma melodia somente na voz e sugeriu que Céu escrevesse uma letra. A cantora, ao ouvir, preferiu apenas acrescentar um contracanto.

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=xlfQODKEH0I&playnext=1&list=PLA8020CD587CC4862[/youtube]

Mesmo com o lançamento do Sonantes (nome sugerido por Jorge Du Peixe) no Brasil, o palco não está nos planos do quinteto. “Até fizemos uma participação no programa do Arnaldo (Antunes, Grêmio Recreativo da MTV). Mas não é essa a ideia. Trata-se de um disco de produtor”, confirma Rica dizendo que a prioridade agora são as carreiras individuais. Céu e Nação Zumbi estão em estúdio, prestes a lançar trabalho novo. Formado também por Dengue, Pupillo e Rica, outro projeto coletivo, 3 na Massa, deve lançar seu segundo disco ainda este ano. Este projeto apresenta novos compositores homens sendo interpretado somente por mulheres. Entre as convidadas deste segundo trabalho, já estão Pitty, Karina Burh, Bárbara Eugenia e Céu. E entre os autores, Jorge Du Peixe, Junio Barreto, Otto e Lucas Santana.