Discografia

Bruno Morais e Bixiga 70 regravam pérola setentista de Erasmo Carlos

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=cdgA4aNpdes&feature=related[/youtube]

Os anos 70 foram luminosos para a música brasileira, quando se solidificaram carreiras até hoje referências. Nesse meio estava a dupla Roberto e Erasmo, vivendo seu auge criativo. O segundo inclusive entrou com tudo na década luminosa com o clássico Carlos, Erasmo. Tentando emplacar uma onda hippie na vida e na carreira, os discos que vieram na sequencia deste de 1971 foram igualmente excepcionais. Entre eles está Sonhos e Memórias, de 1972, que trazia 12 composições da dupla famosa, entre elas o hit arrasta quarteirão É proibido fumar. Bom do começo ao fim, o disco traz pelo menos duas canções que deveriam ser ouvidas com atenção por qualquer um que diga gostar de música brasileira. A primeira é Grilos, balada melancólica, regravada com maestria por Marina Machado e Samuel Rosa no disco Tempo Quente (2008). Em tom de cabeça baixa, a música traz uma tentativa de deixar as coisas bem depois de um vendaval doméstico. Ouçam a versão e a original, mas não comparem. São ambas ótimas.

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=VplLZUVmRZE[/youtube]

A outra canção é Sorriso dela, que mostra um Erasmo Carlos tomado pela alegria do casamento e da paternidade. Esta acaba de ganhar uma ótima regravação do paranaense Bruno Morais, em parceria com o grupo Bixiga 70. A música faz parte de um compacto que traz ainda Ela e os Raios, parceria de Bruno com Guilherme Held, que conta com o baixo do cearense Régis Damasceno (Cidadão Instigado). Voltando a Sorriso dela, Bruno manteve o clima etéreo e contemplativo desta que é uma das composições mais belas da dupla Roberto e Erasmo. Ancorado pelos metais e percussão do Bixiga 70, o cantor coloca sua voz cheia de intimidade numa canção que poderia ser entoada para uma filha, uma namorada ou quem quer que se goste. Pra quem ainda não conhece o Bixiga 70, trata-se de uma banda formada por nove músicos da cena paulistana (sempre lá) que fazem um som voltado pro afrobeat de Fela Kuti. Dessa junção do som personalista de Bruno Morais com o som possante da banda, saiu uma bela homenagem a dois pioneiros do rock nacional.

Ouçam aqui