Discografia

Pingo de Fortaleza lança livro, CD e DVD esta noite na Feira da Música

2108va0550
Os primeiros anos da década de 1970 marcaram profundamente a história da música cearense. Foi naquele período que uma geração de cantores, compositores e músicos colocou o Estado no mapa da música popular brasileira lançando uma série de canções e discos antológicos. Dessa lavra saíram a primeira gravação de Fagner para Cavalo ferro (1972), álbuns como Meu corpo minha embalagem todo gasto na viagem (1973) e a estreia de Belchior (1974).

Uma década depois, outra geração de músicos começava a despontar em Fortaleza, e, mais precisamente em 1982, quem estreava era João Wanderley Roberto Militão, sob o pseudônimo de Pingo de Fortaleza. Cantor, compositor, pesquisador e produtor, Pingo levou sua história como artista independente e se destacou como uma das referências, principalmente, dentro do maracatu. Certo de que faz parte de uma história que começou bem antes de sua estreia, Pingo aproveitou a comemoração dos seus 30 anos de carreira para homenagear a música cearense como um todo.

Apresentado esta noite na Feira da Música, o projeto Pérola do Centauro conta a história da música cearense de diferentes formas. O livro, que leva o nome do projeto, reúne importantes pesquisadores da música cearense – Nirez, Nelson Augusto, Gilmar de Carvalho, Pedro Rogério e outros – para compilar toda a produção musical do Estado, desde Sátiro Bilhar (1860 – 1926) até os novos Caio Castelo ou Felipe Cazaux. À publicação de 240 páginas, soma-se um documentário de 40 minutos e dois CDs.

2108va0551“Eu gosto muito demarcar temporariamente. Sou meio cronológico. E achei que ia ficar muito vago se eu não falasse daqueles que foram muito importantes pra minha formação”, explica Pingo, que já está há cinco anos delineando o projeto. Segundo o músico, a parte mais difícil foi dar voz ao disco Pérolas, onde atua exclusivamente como intérprete em 12 canções desses 40 anos de música cearense, como A palo seco (Belchior) e O que eu queria (David Duarte). “As músicas são uma forma de ilustrar o que está escrito. Foi difícil pensar em cantar essas músicas que já têm gravações tão fortes. Pelo menos eu vou tentar”, comenta.

No outro disco, Centauro, a posição se inverte e 13 artistas interpretam composições do Pingo de Fortaleza e seus parceiros. Rodger Rogério, David Duarte, Ednardo e Serrão estão entre os convidados. Por obra do acaso, a única inédita do disco é Pode crer, interpretada por Teti. “Eu mandei outra música pra ela, mas era uma um pouco triste. Ela ligou de volta dizendo, de uma forma muito educada, que tava pensando numa coisa mais pra cima, mais alegre. E como ela repetiu ‘pode crer’ umas três vezes, peguei o que ela havia dito e fiz a música”, lembra Pingo. O songbook também abre espaço para Lorena Nunes e Marcos Lessa, dois novos nomes da música local.

O projeto já teve uma “turnê” inicial, que passou por 10 escolas estaduais de Fortaleza. Apresentando livro, documentário e músicas para alunos do ensino médio, Pingo de Fortaleza contou capítulos importantes da música cearense. Alguns, inclusive, que ele só conheceu enquanto trabalhava no projeto. “Foi importante para mostrar a necessidade de fazer chegar essa ampla produção para um maior número de pessoas”, explica ele, que agora se prepara para levar seu Pérolas do Centauro para São Paulo (dias 27/08 e 02/09) e Rio de Janeiro (04/09), quando será acompanhado pela banda Renegados. “É um sinal de que esse livro tem importância. O mais meritório (do trabalho) é explicitar nossa capacidade de produção. É uma música diversa e de qualidade. Eu queria mostrar que isso tudo foi feito, e ta aqui”.

Serviço:
Pérolas do centauro
O quê: lançamento do projeto de livro, CD duplo e documentário de Pingo de Fortaleza
Quando: hoje (21), às 20h
Onde: Estoril (Rua dos Tabajaras, 397 – Praia de Iracema)
Quanto: aberto ao público. Livro: R$ 80; CD Duplo + DVD: R$ 40; Pacote completo: R$ 100
Outras info.: 3226 1189