Discografia

A bossa nos states

16 1

sylviatellesQuando aquela famosa garota passou com seu doce balanço a caminho do mar, a Bossa Nova já tinha virado febre na cena internacional. Surgindo como símbolo de um País que queria se mostrar moderno e promissor, a famosa batida de João Gilberto virou moda naquela segunda metade dos anos 1950 e saiu do estreito Beco das Garrafas para grandes palcos internacionais. Um deles foi o luxuoso Carnegie Hall, sempre citado no Brasil por ter reunido a turma numa grande celebração realizada em 21 de novembro de 1962.

Outros momentos importantes da história internacional da Bossa Nova começam a ser relembrados agora com a ajuda de reedições que chegam ao mesmo tempo no mercado nacional. Uma delas é a coletânea Você e Eu (Universal), com 14 faixas de Sylvia Telles. Em sua maioria, o repertório traz pérolas fundamentais da Bossa, como Eu sei que vou te amar e Caminhos cruzados. O diferencial da intérprete está no seu fraseado jazzístico e vivaz, que se destaca nas sincopadas Telefone e Lobo bobo.

sylviatellescapavoceeeuEx-namorada de João Gilberto, Sylvia Telles é muitas vezes apontada como a primeira cantora moderna do Brasil, à frente até dos arranjos feitos para seus discos. A carioca foi uma das primeiras a reconhecer o valor das composições de Tom Jobim e até fez o primeiro tributo somente com canções do maestro. Apesar da vida curta, interrompida aos 31 anos num acidente de carro, Sylvinha chegou a manter uma carreira de shows e gravações no exterior, facilitada por sua fluência em inglês e francês. Com parte dessa produção ainda inédita no Brasil, a artista e sua obra permanecem cercadas de esquecimento, sobrando para as raras coletâneas o esforço de manter sua memória viva.

Outro nome que levou a Bossa para o exterior, mas andava meio apagado no Brasil, é o de Agostinho dos Santos. O crooner paulistano protagonizou pelo menos dois momentos históricos: foi aplaudido no Carnegie Hall, na lendária noite da Bossa Nova, e cantou na agostinho-dos-santos-1967-1973trilha do filme Orfeu Negro (1959), de Marcel Camus, baseado na obra de Vinicius de Moraes. Trabalhos como esses, abriram as portas do mundo para o intérprete de voz macia, que passou seus últimos anos gravando em selos estrangeiros.

E foi justamente a caminho de um show em Paris que Agostinho morreu num acidente aéreo, em 1973. Para marcar os 40 anos sem uma das vozes mais importantes do Brasil, o selo Discobertas vem relançando a obra completa do cantor em CD. Um primeiro box, de 2013, trouxe justamente a época internacional de Agostinho, registrada entre 1967 e 1973. O pacote inclui uma raridade póstuma gravada ao vivo na França. Agora sai um segundo box com discos gravados entre 1958 e 1961, na extinta RGE. Registrando seus primeiros passos na música, a caixa traz composições de Billy Blanco (Até o nome é Maria), Tito Madi (Saudade querida) e Johnny Alf (Céu e mar).

pery ribeiroOutros fieis representantes que têm parte de suas histórias internacionais empacotadas pela Discobertas são Pery Ribeiro e Wanda Sá. O primeiro teve a primazia de registrar em disco a famosa Garota de Ipanema num dos grandes golpes de sorte da música brasileira. O box Pery Internacional apresenta o resultado dessa gravação em discos gravados no México, Estados Unidos e Japão. Dois deles foram feitos ao lado do Bossa Rio, grupo pilotado pelo pianista Sérgio Mendes, e jogam o molho brasileiro sobre Beatles, Burt Bacharach e Jimmy Webb. Dono de uma voz discreta e muito bem colocada, o filho de Dalva de Oliveira e Herivelto Martins até passeou por outros estilos, mas tornou-se mesmo uma síntese da Bossa.

wanda sáO mesmo pode ser dito de Wanda Sá, paulista de coração carioca, que completa 70 anos em 2014. A comemoração acontece com o lançamento dos seus três primeiros discos, lançados na década de 1960. O primeiro, Wanda Vagamente, até virou apelido da cantora que seguia a linha cool de Astrud Gilberto. Com a boa repercussão da estreia, veio o convite de Sérgio Mendes para gravar nos Estados Unidos. Brasil ’65 e Softly saíram pela gravadora Capitol (que também trabalhou com os Beatles) e traziam standards da bossa vertidos para o inglês, como Samba de  verão (So nice) e Corcovado (Quiet nights). Para comprovar a força desse repertório, Wanda segue como um dos nomes mais fortes da música brasileira no exterior, realizando turnês constantes na Europa, América do Norte e Ásia.