Discografia

Lenine apresenta Carbono amanhã em Fortaleza

20150414150020689138i“O que eu sou, eu sou em par. Não cheguei sozinho”. É assim que Lenine explica o novo momento que sua carreira atravessa. O trecho entre aspas foi pescado de Castanho, faixa de abertura de Carbono, trabalho inédito que ele traz este sábado para Fortaleza. O show, que acontece na Praça Verde do Centro Dragão do Mar, marca o reencontro do pernambucano com sua banda formada por velhos companheiros, como o baterista cearense Pantico Rocha, o guitarrista Jr Tostoi e o baixista Guila.

Carbono chega quatro anos depois de Chão, trabalho intimista em que Oswaldo Lenine Macedo Pimentel experimentou sonoridades diferentes das que costumava trabalhar nos discos anteriores. Decorado com ruídos do cotidiano, como um canto passarinho, a água fervendo na chaleira ou o vento soprando, o álbum de 2011 gerou a turnê homônima onde ele explorava as possibilidades do som quadrifônico (canais emitido sons diferentes). O show pensado para lugares fechados acabou crescendo e se transformando a tal ponto que chegou a ser apresentado durante o Rock In Rio.

“No final do ano passado cheguei à conclusão de que tinha que abortar o Chão. E o quê que eu tenho que fazer? Material inédito e um disco de novo. Eu não tinha nem começado o disco, mas já tinha o dia da masterização”, lembra Lenine, que teve de se apressar para aprontar as canções que estariam no novo trabalho. Por telefone, ele conta que partiu do nome do álbum, método que usa desde Labiata (2008). “Carbono já surgiu com esse nome. Eu já sabia como queria a capa e já tinha pensado no José Carlos Lollo (ilustrador). Só a partir daí compus as canções e tive dois meses para fazer tudo”, continua o músico, antes de soltar uma gargalhada.

LenineO motivo do riso é que, mesmo com o tempo curto, ele sabia que podia contar com um time fiel de colaboradores, como os compositores Carlos Rennó, Dudu Falcão e Lula Queiroga. “Por isso Carbono é um disco tão coletivo. Talvez seja o trabalho onde esteja mais evidente todos os meus parceiros”, pontua Lenine, comemorando ainda a volta da banda para seu trabalho. “No palco, contar com a autoralidade desses músicos é muito rico. Estou muito feliz de contar com meu núcleo duro”, brinca. Ao lado da turma de velhos colaboradores, também estão jovens músicos como Tó Brandileone, Carlos Posada e o filho Bruno Giorgi. Além deles, Carbono conta com participações de Letieres Leite, Martin Fondse Orchestra, Nação Zumbi e outros.

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=_Kwd5FnrW_I[/youtube]

Com essa turma, Lenine criou um repertório que balança entre a linguagem pop do final da década de 1990 e a experimentação que ele vem provando desde Labiata. Tem o clima viajante psicodélico de Castanho, a levada soturna de À meia noite dos tambores silenciosos, o existencialismo folk de Simples assim e o peso agressivo de Grafite diamante, parceria com Marco Polo (Ave Sangria). Essas e todas as outras sete faixas de Carbono serão apresentadas no show deste sábado. Por isso, Lenine já adianta aos fãs de longa data que os hits que marcaram seus mais de 30 anos de carreira ficaram fora do roteiro da turnê. “Faço, pelo menos, duas canções mais expostas. Mas, sinto dizer que estão fora A ponte, Relampiano, Paciência”, elenca.

O motivo da exclusão de tantos sucessos vem desde que ele foi convidado para compor a trilha do espetáculo Breu, do Grupo Corpo. Sem prazo de conclusão ou qualquer informação prévia para construir o trabalho, ele se viu tomado por uma “liberdade opressora” e teve que se impor um tempo para terminar. Desde então, ele passou a gostar da urgência e do imediatismo do repertório. “Adorei por que era uma fotografia de mim agora. Antes, eu ia na gaveta de composições e pegava aquelas que queria gravar. Mas aí, é uma fotografia do antes. Depois do Labiata, é sempre o calor da hora. E eu tenho isso, de priorizar os discos novos por que é o filho mais novo, aquele que está aprendendo a andar. Os outros já cresceram e já nem são meus”.

Serviço:
Quando: amanhã (9), às 20h
Onde: Praça Verde (Rua Dragão do Mar, 81 – Praia de Iracema)
Quanto: R$ 80 (pista – inteira), R$ 40 (pista – meia), R$ 60 (front – meia) e R$ 120 (front – inteira). À venda na bilheteria do Dragão, Casas dos Relojoeiros (shoppings Benfica, Northshopping, Iguatemi, Aldeota e Centro) e Bilheteria Virtual
Outras info.: 3488.8600