Discografia

Margareth Menezes canta Gil e Caetano no São Luiz

DVD Vanessa da Mata - Foto: Leo Aversa

* Os vídeos a seguir não são do DVD Para Gil & Catano, mas mostram que a admiração de Margareth pelos dois homenageados já vem de longe

Boa parte do mês de março no Cineteatro São Luiz foi dedicado à programação especial do Dia da Mulher. Foram shows, filmes, teatro e performance, todos dedicados à data. Para finalizar essa agenda, quem se apresenta amanhã na casa é Margareth Menezes, com o show Para Gil & Caetano. Autoexplicativo, o show eletroacústico traz a baiana homenageando seus mestres tropicalistas em versões bem pessoais.

Lançado em CD e DVD no primeiro semestre de 2015, Para Gil & Caetano nasceu por acaso, em 2012, quando Margareth resolveu aproveitar algumas datas que conseguiu no Teatro Rival, tradicional casa carioca localizada próximo à Cinelândia. Na época, ela aproveitou para celebrar os 70 anos de Gilberto Gil e Caetano Veloso, mas nem pensava em levar o projeto à frente. Depois de algumas apresentações, veio o convite para trazer o show a Fortaleza, dentro da programação do V Festival UFC de Cultura, realizado na Praça Verde do Dragão.

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=52-7VEpoDKU[/youtube]

“Agora será no São Luiz, que é um lugar que tem muita tradição em Fortaleza. Estou feliz”, celebra a baiana de 53 anos, dona de um grave possante. E é com essa voz que ela interpreta uma lista de 22 músicas, divididas igualmente entre os homenageados. De Gil, tem Deixar Você, Clichê do Clichê, Eu Vim da Bahia e outras. E de Caetano tem O Quereres, Eclipse Oculto, Força Estranha e outras. “Esse show é bem dentro do DVD mesmo. Alterei poucas coisas. As músicas foram escolhidas muito mais pelo coração”, explica Margareth.

Tão acostumada a arrastar multidões em trios elétricos, Margareth Menezes também se sente a vontade cantando para plateias mais comportadas. “Eu comecei fazendo shows em barzinho e fiz teatro também. O palco é o palco, é a casa da música, da arte cênica”, explica, enquanto rejeita a visão de quem só a vê como artista ligada ao Carnaval. “Não sou carnavalesca, sou cantora. Eu tenho uma diversidade musical muito grande, mas o Carnaval tem uma presença muito forte. Na verdade, ele é mais uma ferramenta de divulgação do trabalho. Por isso me defendo um pouco dessa imagem de carnavalesca”, responde sem incomodo.

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=qDyEOlGLRIM[/youtube]

E é por isso que ela não tem intenção de carnavalizar o repertório de Caetano e Gil nos shows de trio e multidão. Pelo contrário, o projeto intimista onde ela divide o palco com Adail Scarpelini (guitarra e ukelele), Alexandre Leão (violão), Daniela Penna e Guto Messias (percussões) funciona como um momento de testar novas formas de cantar. Por exemplo, é de arrepiar a força de Como 2 e 2, com Margareth encarnando uma diva blueseira e rasgando o coração com os versos de Caetano.

No entanto, para ela um dos momentos mais fortes do show é Se Eu Quiser Falar com Deus, música que Gil fez especialmente para Roberto Carlos. Quando o Rei rejeitou a canção, coube a Elis Regina lançá-la. “Esta não estava na primeira apresentação. É justamente mostrar uma coisa antagônica”. O antagonismo que ela se refere é, mais uma vez, ao Carnaval. “Meu referencial tem um pouco a ver com Rita Lee, Novos Baianos, Belchior, Elba Ramalho. Cantava muito Belchior no início de carreira. São figuras que tiveram um trabalho que mudou a cara da MPB”, explica.

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=ogVfRWORK0E[/youtube]

Agora, próximo dos 30 anos de carreira, completados no ano que vem, ela já se prepara para se despedir de Gil e Caetano. “Fortaleza foi uma das primeiras cidades onde apresentei esse show e agora está voltando. Quando você dá a volta ao mundo é por que esta na hora de renovar”, explica adiantando que pode voltar a apresentá-lo futuramente. “Foi um projeto que me deu muitas alegrias. Estou encerrando essa turnê com muita satisfação”.

Serviço:
Margareth Menezes para Gil e Caetano
Quando: amanhã, 20, às 19 horas
Onde: Cineteatro São Luiz (Rua Major Facundo, 500 – Centro)
Quanto: R$ 30 (meia) e R$ 15 (inteira)
Telefone: 98799 1723