Discografia

Ex-Céu da Boca, Ronald Valle entrega seu Presente

61973

Um dos grupos vocais que fez história ao longo dos anos 1980, o Céu da Boca foi uma verdadeira fábrica de grandes cantores. Verônica Sabino, Paula Morelenbaum, Chico Adnet e Dalmo Medeiros (atual MPB-4) são alguns nomes que fizeram parte desse coletivo de vida curta.

Outra voz que saiu do Céu da Boca foi Ronald Valle que, apesar de menos badalado, nunca deixou de trabalhar com música. Professor de canto, maestro e produtor de trilhas para publicidade, o carioca retoma sua história autoral na música com Presente. Lançado em 2015, o disco ficou um tempo entre meus guardados até merecer a atenção devida. E merece.

A vocação de Ronald é para o pop sofisticado. A voz de timbre incomum soa frágil, afinada, emocionada e sem afetação. Os arranjos do disco ganham corpo quando saem do óbvio, como um berimbau aqui ou um violão mais ritmado acolá. Entre os músicos que participam do trabalho, nomes como Carlos Trilha, Marcelo Costa e Edu Krieger.

O talento para melodias assobiáveis é uma certeza nas 10 faixas de Presente. Mas existe também um esforço de não cair no caminho ralo das facilidades do pop radiofônico. Filosófica Canção, por exemplo, até tem um ar de Jorge Vercillo, com seu clima ensolarado e a gaita saltitante de Gabriel Grossi. Já Final Feliz tem um quê de jazz pop com letra direta, forte e pungente.

O destaque fica para Fibras Tensas, com arranjo que vai do rock de branco à discoteca. Bye Bye Meu bem se apodera da bossa nova para criar um clima gostoso de percussão e violão, que adornam uma letra gostosa de amor duvidoso. Em Filho da Rua ele diz que quer ser dono da boca, ao assumir um personagem marginal – no sentido exato da palavra. O violão guia a melodia que amansa as ideias sonoras do Rappa, mas acaba bem.

Em resumo, Presente é um disco bonito, feito com cuidado e esmero. Não é de impressionar ninguém de primeira, mas merece uma audição atenta.