Discografia

A força sonora do Metá Metá

Metá-Metá1

Por Camila Holanda (camilaholanda@opovo.com.br)

Metá Metá é selvagem e vívido. As nuances do jazz percorrem as músicas do trio desde o primeiro álbum, de 2011. O novo disco, chamado MM3, foi lançado há poucos dias, fazendo saltar ainda mais essa referência nos arranjos. Juçara Marçal enfatiza que tais nuances sempre existiram no trabalho do grupo, mas sempre dispostas em contextos diferentes. “Cada canção é um contexto, cada disco, um contexto que se faz pela narrativa das dez, nove canções apresentadas ali, numa dada sequência”, percebe. Como ela mesma lembra, muito além das finas batidas jazzísticas, outras tantas referências delineiam as composições, como ritmos afro. “Tem todas as outras referências do Thiago (França), que se mostram em cada arranjo da maneira mais versátil. E estamos falando aqui de um terço, um quinto, da sonoridade toda do Metá Metá“.

MM3 é o terceiro álbum assinado por Juçara, Thiago e Kiko Dinucci juntos como grupo musical. Fica no portfólio da banda, ao lado dos álbuns Metá Metá (2011) e MetaL MetaL (2012), além dos EPs Akalorô (2013) e Metá Metá (2015). Gravado de 21 a 23 de março no Red Bull Studio, em São Paulo (SP), o novo trabalho foi lançado num susto para público. Como já é praxe, o grupo disponibilizou o CD completo para download grátis no site. “Nosso trabalho é, desde a origem, disponibilizado na internet. Temos isso como questão de honra”, defende Juçara.

capa_mm3_altaApós três anos sem lançar álbuns, foi em 2015 quando o grupo resolveu que era hora de começar a preparar repertório para somar em novo disco. “Fizemos encontros, só o trio, num primeiro momento. Íamos testando coisas: um riff, uma melodia, ideias meio soltas que fomos guardando. A primeira composição a sair desse processo foi a Corpo Vão, que terminamos no meio da temporada na Europa e começamos a tocá-la em alguns shows.” Mesmo sem novos álbuns coletivos neste meio tempo entre o segundo e o terceiro trabalhos, Juçara lançou Encarnado (2014), Thiago gravou O último carnaval de nossas vidas (2016) e Kiko tocou o projeto Passo torto e Ná Ozzeti (2015).

O resultado dos encontros musicais ocorridos nos últimos anos está em MM3. O nome do disco, conta Juçara, surgiu de uma troca de e-mails entre os integrantes do grupo, quando mandavam composições e gravações de ensaios uns para os outros. “No ‘assunto’ do e-mail, pra ser sintético, colocávamos MM3 (Metá Metá, terceiro disco). Na hora de escolher qual seria o nome, essa sigla, meio enigmática e ao mesmo tempo tão simples pareceu ser uma boa ideia. E ficou”.

Sonoridades
O MM3 flui entre as múltiplas referências musicais de Thiago, Kiko e Juçara. O disco é apresentado pela música Três amigos, um belo cartão de visitas, assinado por Rodrigo Campos, Thiago França e Sergio Machado. O primeiro minuto é todo viagem instrumental, com destaque para a força do sopro de Thiago no saxofone. A letra também chega arrastando o ouvinte, somada à voz rasgada de Juçara. Rodrigo e Sergio são compositores convidados no disco.

Ao lado deles, também está Siba, que assina, em parceria com Kiko Dinucci, a música Toque Certeiro. A composição se descola da vibração mais frenética das demais músicas, sendo um tanto mais suave. Na verdade, cada música do CD tem suas peculiaridades sonoras e de letras. Cada uma propõe experiências diferentes.

Nos arranjos que percorrem o CD há, ainda, forte influência de viagem que o trio de parceiros fez ao Marrocos, primeira ida a um país do continente africano. “Isso mexeu com a gente”, destaca Juçara. “As coisas que ouvimos lá, o próprio ambiente todo da cidade em que ficamos (Rabat), nos fez vislumbrar uma sonoridade que, de certa forma, está presente nos arranjos. Não como uma influência direta, mas como elemento disparador de um imaginário que, achamos, tem a ver com a musicalidade daquela região.”

Metá Metá online

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=Gj4yrod_jk4[/youtube]
“O streaming não nos chamou atenção logo que surgiu. Pra gente, não fazia muito sentido colocar nossos discos numa plataforma que cobra uma taxa do ouvinte, visto que nosso disco está disponível pra download gratuito”, considera Juçara Marçal.

O MM3 foi primeiro lançado online. O ouvinte pode baixar (aqui) o arquivo e guardar no computador. Isto não anula e nem ameaça o fato de o disco estar à venda e os shows que o grupo já começou a apresentar para lançar o novo trabalho. “Mas, como cada vez mais, pedem que a gente disponibilize os discos também no streaming e como acabamos considerando que uma coisa não invalida a outra, resolvemos, enfim, colocar nas plataformas nossos discos todos.