Discografia

Argonautas encontram Mônica Salmaso no Teatro RioMar

Fotos: Divulgação

Em 2017, enquanto gravava o álbum Jangada Azul, a banda Argonautas pensou em algumas participações especiais. Entre elas estava a cantora Mônica Salmaso, reconhecida pela voz suave de técnica irrepreensível. Imersa em outros compromissos pessoais e profissionais, a paulistana recebeu o convite por email, mas não pode aceitar. Tempos depois, os cearenses fizeram Suassuna, faixa que seria lançada como single, e mais uma vez lembraram de Mônica para cantá-la.

Dessa vez, a resposta foi um sim e essa gravação rendeu outro convite, para um show em parceria que será apresentado amanhã no Teatro RioMar. “Não é uma participação dela. É um show dela e nós vamos ser a banda que acompanha. A gente canta três músicas, ela entra e não sai mais”, empolga-se Rafael Torres, que forma os Argonautas junto com Ayrton Pessoa, Ednar Pinho e Ígor Ribeiro.

Foto: Da Pa Virada/ Dani Gurgel/ Divulgação

Já disponível para audição on line, Suassuna foi composta por Rafael e faz uma justa homenagem a Ariano Suassuna e seu movimento Armorial. “Por algum motivo, pensei nela pra cantar. Ela topou, achou desafiador”, lembra o compositor que, em seguida, já pensou no convite para o show juntos. “Eu que estou feliz. Foi um convite lindo, amoroso, caprichoso”, celebra Mônica que, apesar da “grande intimidade por email”, só vai conhecer o quarteto pessoalmente esta semana.

Além de Suassuna, Mônica Salmaso vai passear pelo repertório que lançou ao longo dos seus 23 anos de carreira. Algumas das canções, ela não canta há bastante tempo, como O Saci e Tajapanema. “Tem também A Violeira, que talvez seja o único xote do Tom Jobim. E tem coisa que nem gravei ainda”. Coube à intérprete a primeira proposta de repertório, que foi dividida com os Argonautas. “O que a gente fez foi cortar por que ela mandou uma lista enorme. A gente escutou, foi eliminando as que não se identificava, testando os arranjos”, acrescenta Rafael.

Mônica Salmaso conta que, como intérprete, costuma receber muitos discos de cantores e compositores em busca de uma opinião, um apoio ou mesmo uma gravação. Nem sempre ela consegue ouvir tudo, mas se diz agradecida pela confiança. Quanto a Suassuna, ela nem sabe dizer ao certo o que chamou a atenção. “Acho que é um combo. Eles têm um trabalho que tem uma sonoridade facilmente identificável com a minha. É um trabalho acústico, com raízes parecidas com as minhas. Não lembro da primeira escuta, mas tem vários links com o que eu faço”, explica.

Uma mostra desse trato refinado dos Argonautas com a música vai ser apresentado durante o Festival Vida&Arte. Integrantes do projeto Os Cearenses, que dedicou sua nova temporada à música local, eles fizeram uma interpretação bem particular de Mucuripe, clássico de Fagner e Belchior. Junto dos outros convidados do projeto, como Lorena Nunes, Simonn Rocha, Rebeca Câmara e Felipe Cazaux, eles apresentam o resultado ao vivo no festival que acontece de 21 a 24 de junho.

Serviço:
Argonautas e Mônica Salmaso
Quando: amanhã, 25, às 21 horas
Onde: Teatro RioMar Fortaleza (Rua Lauro Nogueira, 1500 – Papicu)
Quanto: de R$ 40 a R$140
Telefone: 3066 2000

Repertório:
Cataventos (Rafael Torres/ Alan Mendonça)
Mareia (Rafael Torres/ Ayrton Pessoa)
Ilação (Ayrton Pessoa)
A Permuta Dos Santos (Chico Buarque/ Edu Lobo)
A Violeira (Chico Buarque/ Tom Jobim)
Baile No Bola (Maurício Carrilho/ Paulo César Pinheiro)
Canto Em Qualquer Canto (Ná Ozzetti/ Itamar Assumpção)
Cabrochinha (Maurício Carrilho/ Paulo César Pinheiro)
Leilão (Heckel Tavares/ Joracy Camargo)
Menina, Amanhã De Manhã (Tom Zé/ Perna)
Mortal Loucura (Gregório De Matos/ Zé Miguel Wisnik)
Na Primeira Manhã (Alceu Valença)
O Saci (Guinga/ Paulo César Pinheiro)
Tajapanema (Foi Bôto Sinhá) (Waldemar Henrique/ Antônio Tavernard)
Biscate (Chico Buarque)
Interiores (Rafael Torres)
Margarida Flor (Ayrton Pessoa/ Alan Mendonça)
Suassuna (Rafael Torres)