Discografia

Estante de Música: Os 60 anos de Zeca Pagodinho

Máquina de sucesso
Mais conhecido por quem dá atenção às fichas técnicas, Lincoln Olivetti é uma figura onipresente entre os sucessos nacionais dos anos 1970 e 80. Maestro, compositor, arranjador e produtor, o músico de Nilópolis (RJ) terá sua vida contada em documentário arquitetado pelo canal Curta!. Ainda sem previsão de estreia, Lincoln Olivetti – A Música Não Pode Parar narra a ascensão do homem que foi responsável pela criação de uma linguagem pop, cercada de sintetizadores, que garantiu sucessos para Roberto Carlos, Tim Maia, Zizi Possi e muitos outros astros da MPB. Esse estilo acabou virando fórmula e, para muitos, o trabalho de Olivetti ganhou pecha de datado e pasteurizado. Mas, bem verdade é que ele entendia bem de música, de trabalho em estúdio e de fazer uma música tocar no rádio. Lincoln faleceu em 13 de janeiro de 2015, vítima de infarto.

Céu em vinil

A caminho dos 15 anos de carreira (em 2020), Céu revisa sua estrada relançando em vinil seus quatro discos de estúdio. A estreia – no disco batizado com seu nome – já apresentou uma artista de personalidade sonora forte, cujo canto lânguido encaixou com perfeição em faixas como Lenda, Malemolência e Concrete Jungle. Ponto alto dessa história discográfica, Vagarosa (2009) ampliou esse espectro de reggae, dub, samba e contou com a participação preciosa de Luiz Melodia. Caravana Sereia Bloom (2012) e Tropix (2016) confirmaram o talento da paulistana que mantém uma carreira de respeito no exterior. Uma curiosidade: Tropix está sendo lançado em uma versão instrumental, perfeita para quem quer montar samples ou conhecer a estrutura dos arranjos.

60 anos de samba

Jessé Gomes da Silva Filho, o Zeca Pagodinho, completa hoje seus 60 anos de vida. Nome forte do samba e do pagode, estrela das massas e intérprete eficiente, o cantor virou grife sem perder a pose de malandro, o que o faz transitar bem entre diferentes públicos. Com uma carreira discográfica extensa, embora pouco criativa, Pagodinho conta com uma boa lista de sucessos – Verdade, Lama das Ruas, Caviar… – e tem currículo para se arriscar mais sem abrir mão do samba que o fez crescer. Seu dueto com Marisa Monte, em 2013, prova isso.