Educação

Publicidade infantil – difícil resistir!

Você leva seus filhos, sobrinhos ou netos ao supermercado? Qual a reação deles e a sua, caso os pequenos olhinhos deles se deslumbrem por algum produto da prateleira? Vi uma cena curiosa hoje: uma mãe aflita empurrando seu carrinho de compras e duas crianças aos berros no supermercado porque não ganharam uma bebida colorida e “mágica”. O grito das crianças se ouvia de longe… e os da mãe também! Na hora quis logo saber os motivos! (até pra ver se os gritos diminuíam). Minha primeira ação foi ir verificar o que de tão especial tinha aquela bebida para merecer tantas lágrimas e sofrimentos das crianças e da mãe.

Era uma garrafa lindaaaa, de um achocolatado. O herói era forte e robusto e, ainda dizia que os poderes mágicos estavam todos dentro da garrafinha. Nossa! Foi difícil eu mesma resistir. E olha que sou uma jovem de vinte e poucos anos, teoricamente informada e com um bom senso crítico. Mas em solidariedade aquelas crianças, resisti!Também não comprei! Embora adore chocolate e tenha adorado a embalagem!

Cheguei aqui no jornal e fiquei pensando que o comportamento daquelas crianças é repetido por milhões de outras crianças no Brasil todos os dias. Isso faz com que, somadas as vendas de brinquedos e alimentos, o mercado infantil brasileiro movimente US$ 50 bilhões por ano, cerca de 5% do Produto Interno Bruto (PIB) do País, de acordo com estudo desenvolvido pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA/USP) em 2002.

Desde o ano passado, 11 companhias de alimentos e bebidas, que representam dois terços da publicidade dos segmentos na União Europeia firmaram acordo para mudar a forma de se dirigir às crianças com menos de 12 anos. Fazem parte desse compromisso Burger King, Coca-Cola, Danone, Ferrero, General Mills, Kellogg’s, Kraft, Mars, Nestlé, Pepsico e Unilever.

Desde janeiro deste ano, a diretriz da comunicação é voltada aos pais e deve incentivar estilo de vida e alimentação saudáveis.

Será que isso está sendo realmente cumprido? O que aquelas crianças pensaram quando viram aquele super herói lindo, forte e colorido e ainda com tantos poderes mágicos? Tudo guardadinho naquela garrafa?

Se fosse você, o que faria? O que diria para suas crianças? Por que o apelo desses produtos é tão grande? Como educar para o consumo? É possível? Qual o papel da escola nesse contexto?

Muitas perguntas! Quantas respostas?

crianca-em-frente-a-televisao

Recomendado para você