Educação

Transtornos afastam docentes das salas de aula

Histórias de transtornos emocionais entre os professores se repetem em todo o País. No Distrito Federal, do quadro de servidores públicos, cerca de 2% estão afastados por este motivo. No Rio de Janeiro, 7 mil dos 64 mil professores ativos não dão aula atualmente pelo mesmo diagnóstico.

Os transtornos emocionais também podem ser chamados de comportamentais, de humor ou mentais. São doenças como estresse agudo, depressão, síndrome do pânico, síndrome de burnout – quando o profissional, motivado pela estafa, desenvolve relação apática com o ofício -, estresse pós-traumático, transtornos de ansiedade, entre outros.

O problema, porém, não é mensurável. Não existem números nacionais do Ministério da Educação (MEC). Os dados são resultado de pesquisas realizadas em algumas secretarias de Educação do País ou universidades.

Sucateamento da esperança – Doutora no assunto, a psicóloga e professora da Universidade de São Paulo (USP) Renata Paparelli explica que o cenário atual é o grande responsável pelos problemas dos docentes. Segundo Renata, a escola hoje representa uma desestruturação de tudo o que o professor acredita.

“A desvalorização do professor e do lugar de conhecimento, bem como as condições adversas, os baixos salários e uma jornada infinita de trabalho contribuem com as doenças”, analisa. As políticas públicas falhas da educação também corroboram para o desencantamento. “Hoje, os professores vivem um quadro de sucateamento da esperança”, diz.

Fonte: Diário de Pernambuco