Educação

Ainda há 89 mil crianças de cinco a nove anos ocupadas em todo o País

Apesar dos avanços socioeconômicos e da criação de políticas de combate à pobreza e ao trabalho infantil, a queda do número de crianças e adolescentes que trabalham no Brasil ficou estagnada nos últimos anos. O assunto incomoda dirigentes de órgãos de governo e organizações envolvidas com essa questão.

Entre 1992 e 2011, o número de crianças e adolescentes entre cinco e 17 anos que trabalham foi reduzido em 56%. O dado colocou o País numa posição de referência internacional no combate ao trabalho infantil. Entretanto, existe a necessidade de aprimorar os esforços para chegar ao chamado núcleo duro do trabalho infantil que inclui o trabalho doméstico, o setor informal urbano e a agricultura familiar.

“A questão é descobrir quais são os mecanismos que precisamos para chegar a estes locais onde mesmo a fiscalização do trabalho enfrenta dificuldade em alcançar. Essa não é apenas uma questão para o Brasil, mas para o mundo todo”, diz. Os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) de 2011, do IBGE, mostram que há cerca de 89 mil crianças de cinco a nove anos ocupadas no país.

Fonte: Valor Econômico