Educação

Criado há cinco anos, Cadastro Nacional de Adoção não agiliza

O Cadastro Nacional de Adoção acaba de completar cinco anos, mas ainda está longe de atingir seus objetivos: agilizar processos na Justiça e reduzir o número de crianças em abrigos. Criado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o cadastro tem 29.284 adultos em busca de um filho e 5.471 crianças e adolescentes aptos a serem adotados. Pouco para um universo de mais de 45 mil crianças e jovens à espera de um lar.

imagesCAA50USJ

Até hoje, 1.899 adoções foram feitas pelo cadastro. “Ainda está muito aquém do desejado”, diz Gabriel da Silveira Matos, juiz auxiliar da Corregedoria Nacional de Justiça. O juiz Matos, no entanto, afirma que a ferramenta agilizou a aproximação e que o número de adoções resolvidas não pode ser desprezado.

Há quase 40 mil crianças em abrigos que não estão no cadastro nacional porque ainda têm algum vínculo com a família biológica. É uma segurança: a criança só é cadastrada quando há uma sentença de destituição do poder familiar e não há mais qualquer possibilidade de a família recorrer, explica o advogado Antonio Carlos Berlini, presidente da comissão de adoção da OAB-SP.

Fonte: Folha de S. Paulo