Educação

Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência

Os índices de criminalidade entre a população jovem é tão crescente que se torna assustadora. Quando se observa que os números apenas crescem, sem redução imediata ou medida que resolva a falta de informação, de educação, de estrutura familiar e de saúde, parte-se para a agressão física e o encurralamento desses jovens como a salvação para todos os problemas.

Mas nem tudo está perdido! Conheci recentemente um projeto desenvolvido pela Policia Militar que se chama PROERD (Programa Educacional de Resistência às Drogas e à violência) e que está sendo desenvolvido na Escola de Ensino Fundamental e Médio Santa Luzia, através da metodologia aplicada pelo policial militar Thyago Max, que faz parte do programa como instrutor. Desenvolvido em escolas públicas e particulares do Brasil, tem o objetivo de informar os jovens e suas famílias sobre os danos causados pelas diversas substâncias psicotrópicas.

Policia Thyago Max apresentando o projeto nas escolas.

Policia Thyago Max apresentando o projeto nas escolas.

O PROERD surgiu em Los Angeles – EUA, numa época em que a crise de violência estava relacionada diretamente ao uso de drogas. Em alguns anos foi observada uma redução na criminalidade através do trabalho de prevenção e educação com crianças e adolescentes. Houve uma redução na quantidade de usuários de drogas e nos crimes violentos. O sucesso do programa atravessou fronteiras e chegou em outros países, entre eles o Brasil.

No Ceará, o programa começou a ser desenvolvido em 2001 através da Polícia Militar, que já formou mais de 100.000 crianças e adolescentes. Segundo o policial Thyago Max, que vem desenvolvendo o projeto nas escolas: EEFM Clóvis Beviláqua, EEFM Visconde do Rio Branco, EMEF Maria Adélia Costa Braga e no Colégio Salesiano Dom Bosco; a finalidade do PROERD é reduzir a violência, por meio da conscientização dos jovens em relação aos riscos e consequências das drogas.

Ensinar a recusar, abster-se e livrar-se de situações adversas relacionadas às drogas e a violência é o mote para a realização das atividades. Trabalhar uma cultura de paz nas escolas e relembrar os valores sociais são algumas das estratégias utilizadas no programa para chamar a atenção da garotada. A informação é a melhor metodologia para se criar um elo entre o agente transmissor e o público. O que mais despertou a curiosidade nessa metodologia é a aceitação das crianças ao projeto e o sucesso que um agente da lei e da ordem promove em sala de aula.

Livro do Proerd com as informações, jogos e atividades que serão desenvolvidas com as crianças e adolescentes.

Livro do Proerd com as informações, jogos e atividades que serão desenvolvidas com crianças e adolescentes.

Geralmente os encontros são promovidos durante os cinquenta minutos da aula, com o acompanhamento do educador da disciplina. É distribuído uma cartilha com as informações básicas sobre os diversos assuntos trabalhados ao longo do projeto, como tabagismo, álcool, drogas e os efeitos no corpo humano. Os alunos ainda participam de brincadeiras, fazem atividades sobre os temas explanados e se preparam para uma apresentação em que será apresentada para a comunidade em geral o resultado dos trabalhos desenvolvidos. Os alunos receberão ainda um certificado de participação e farão um juramento perante a família se comprometendo a não utilizar o álcool ou qualquer tipo de entorpecente.

A escolha dos policiais que desenvolvem o trabalho nas escolas se dá através da análise do currículo e formação, além da observação das ações de combate aos temas trabalhados. Os profissionais formados nas licenciaturas, direito e saúde participam de uma capacitação de duas semanas antes de se tornarem instrutores do programa. Atualmente, são 104 profissionais atuantes.

Segundo Max: “Eu me sinto feliz em cumprir essa missão de modificar para melhorar o destino dessas crianças e adolescentes, pois a médio e longo prazo estaremos reduzindo a criminalidade através da conscientização dos malefícios ligados às drogas e a violência”.

Na turma do 6º ano B da manhã, na escola Santa Luzia, no Meireles, a aluna Larissa Brabosa, 13 anos, fala com entusiasmo do programa: “É diferente a maneira como a gente aprende sobre os efeitos negativos da droga no corpo e na mente humana. Aprendemos que nunca devemos cair nessa onda de cigarro e de bebida, pois acaba com a família. O PROERD ensina muitas coisas legais e eu ainda posso passar o que eu aprendi para a minha família e outros amigos que não participam do projeto”.

Palestra sobre álcool e drogas no 9º ano A - Escola Santa Luzia.

Palestra sobre álcool e drogas no 9º ano A – Escola Santa Luzia.

Gostaria de parabenizar a todos pela iniciativa e convidar diretores, coordenadores e toda a família para conhecerem melhor o projeto e aderirem em suas escolas e comunidades. Não podemos esquecer que a responsabilidade é de todos nós. Não se pode mudar sozinho. Vamos juntos nessa luta contra a violência e a criminalidade. Eu acredito! E você?

Conheça a página do projeto no facebook: www.facebook.com/proerd.npcv